domingo, 28 de fevereiro de 2010

nível básico

Fiquei tão preocupada em desabafar no último post, que esqueci de contar sobre minha nova jornada no ballet! Escrevi no final do ano passado que queria fazer aulas mais vezes na semana e que por isso fiz prova e passei para a turma do Básico. Pois então. Essa agora é a minha "turma principal" - apesar de continuar também na turma de Adulto. Percebi que as aulas são mais exigentes e minha professora mesmo estava explicando que não exige tanto das adultas porque muitas estão ali por outros motivos. Ela entendeu que eu estava ali para aprender mesmo e seguir um caminho no ballet- seja lá qual seja e viu que essa turma seria ideal para mim. Além do mais, ela disse que eu tenho o mesmo tamanho que as meninas de 12, 13, 14 anos! haha "No palco, ninguém vai notar a diferença". Resumindo: agora, não sou mais uma "bailarina adulta". Sou uma... bailarina. Não que eu tenha algum preconceito com a palavra "adulta"! Pelamordedeus, não me entendam mal. Acho que as adultas da minha turma tem todo o direito de estarem lá para aprender a dança como hobby, para sair da rotina, aliviar o stress... Elas merecem um espaço, uma turma assim. Mas eu passei a querer algo além.
Tem um gosto diferente... ser tratada de outra maneira, ser tratada igual a uma menina mais nova que entrou cedo no ballet. Acho que todas as adultas que amam ballet, que se dedicam tanto quanto eu e que querem algo mais, às vezes sentem falta de serem tratadas assim, numa turma onde muitas estão ali somente por hobby. Estou orgulhosa de mim, do meu esforço, da minha conquista. E os probleminhas com uma sapatilha de ponta não vão ofuscar isso.

Sei que me desesperei cedo. Lendo os comentários, entendi que o processo da ponta é complicado e demorado mesmo. Eu já sabia disso, na verdade. Mas fui ansiosa, óbvio. Que bailarina nunca foi? Atire a primeira pedra!
Até meu namorado olhou pra mim no dia que cheguei triste da aula e disse "Calma, você quer que seja fácil desde o início?" haha Já estou fazendo os primeiros testes: cortei a ponteira, ajeitei só nos dedos e parece que, colocando esparadrapos nos lugares certos, a dor será suportável e normal. Para as que ainda não sabem: minha professora não gosta de ponteira de silicone. Ao meu ver, acredito que ela ache "artificial" demais, talvez. Diz que esquenta muito e que na época dela sobrevivia-se bem com os esparadrapos. rs

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

A 1a frustração


Pela primeira vez, acho que realmente desanimei por um momento. É muito chato se sentir assim... E eu nunca experimentei isso no ballet porque sempre fui muito realista e realistas não são pegos de surpresa pelo desânimo, porque não idealizam muito antes. Estou sempre preparada para os fatos e só. O que vier, é lucro. Mas eu realmente achava que minhas aulas de ponta iriam ser muito melhores com a Toshie.

Eu estava toda ansiosa e feliz porque teria minha primeira aula de ponta do ano. Fui toda sorridente com a minha Toshie novinha em folha. Coloquei a ponteira (de espuma/tecido), meia, esparadrapo, tudo certinho... E começamos. Fizemos somente uns 10 minutos de aula e eu já estava morrendo de dor. Minhas joanetes estavam doendo muito, principalmente a do pé esquerdo. Minha professora até estranhou minha cara de sofrimento. Ela sugeriu que eu tirasse a ponteira e realmente, melhorou muito. Estava me apertando nos lados. Mas eu tinha experimentado a Toshie com ponteira... enfim. Fiz o resto da aula sem ponteira. A dor nas joanetes se tornou uma dorzinha ainda presente, mas suportável, só que os dedos na frente começaram a doer bastante. rs Aí, eu comecei a ficar desesperada (por dentro, claro... mantendo minha pose de bailarina). Comecei a pensar "não acredito que gastei R$80 numa ponta e tenho que trocar por uma de caixa ainda mais larga! eu tinha experimentado, não acredito que tô sentido todas essas dores!" Minha professora até mandou tirarmos as pontas antes dos 15 minutos e eu tenho certeza de que foi porque viu que estávamos morrendo ali (era a primeira aula após as férias de uma companheira de turma).

É desgastante achar a ponta certa. Eu não me importo com dor, caso esteja fazendo o exercício certo e ele exija essa dor. Mas dor desnecessária, ou dor por não ter achado a sapatilha correta me irrita e me preocupa! Não posso gastar mais dinheiro em sapatilha agora... Por enquanto, vou cortar a ponteira pra que ela fique só nos dedos.

Ah, sim! E ainda senti que "quebrei" a sapatilha do pé direito, mas a do esquerdo ainda não. rs Droga.


A coisa boa do dia...

Aprendi a fazer braço e mão de ballet! Estava me observando no espelho,perguntando por que minhas mãos (que são piores ainda que os braços!) não ficavam do jeito como eu via e revia tantas bailarinas fazerem, em vídeos, em fotos... Fiquei mexendo, mexendo... e de repente, fiz! Foi só virar o arco dos braços um pouquinho mais para fora. Eu estava fechando com as mãos muito para dentro. Bom, espero que tenham entendido.

Beijos de uma bailarina frustrada pela primeira vez.

Obrigada pelos comments e pelo carihno de sempre.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Snow White Ballet



Ouvi um buxixo no mundo virtual e físico do ballet que haviam lançado em DVD uma versão nova do ballet Branca de Neve, com Tamara Rojo no papel. Perguntei pra Cássia onde poderia encontrá-lo e ela me enviou os 10 links com o ballet completo no youtube essa semana. Há pouquíssima informação (nem foto tem!) sobre esse ballet na internet, mas achei essa: o ballet estreou em 2005 em Bilbao e, depois, em Madri, e foi criado especialmente para Tamara pelo coreógrafo Ricardo Cué. A música é de um famoso compositor espanhol, Emilio Aragón.

A cartela de cores é linda, baseada toda em tons de azul e verde, com um toquezinho de vermelho, vinho e mostarda. Tanto o cenário, quanto o figurino são muito bem feitos e se unem em completa harmonia. E eles são espertos: seguem um pouco a estética Disney (não que seja uma obrigação, mas é essa Branca de Neve que o mundo inteiro conhece), mas ainda sim o ballet tem seu próprio estilo e personalidade. Além disso, a história é bem simplificada e parecida com a que todos conhecem. Não fiquei completamente perdida nos acontecimentos, como fiquei ao assistir ao ballet A Bela Adormecida pela primeira vez.

Por ser um ballet curto, bonitinho e objetivo, é mais fácil de conquistar os leigos ou os que nunca assistiram a um ballet antes. Não é desgastante. Mas achei até curto demais. Acho que poderiam ter trabalhado mais a relação da Branca de Neve com os anões e o primeiro encontro dela com o príncipe, antes de fugir da rainha para a floresta. Eu sei, eu sei - eu e minha mania de Disney. Mas senti falta de algumas coisas na história, como o fim da Rainha. Também achei que o figurino da Rainha podia ser mais impactante.


Uma outra coisa que fiquei pensando: tudo bem que ter verdadeiros anões bailarinos seria bem inviável, mas acho que poderiam escolher bailarinos baixos e uma Branca de Neve alta também. rs Não que eu não tenha adorado a Tamara Rojo no papel! Mas sinto falta de realmente ver anões...



Essas foram as únicas duas fotos legaizinhas que encontrei:




Esse foi um dos vídeos que mais gostei. A hora que ela foge para a floresta:




Respondendo à pergunta da Lívia, que comentou aqui sobre entrar na ponta na fase adulta:
Lívia, estou há quase um ano no ballet. Digo "quase", porque os meses que a academia entrou de férias eu não conto. rs Quando eu entrei na minha turma de ballet adulto, elas já estavam há um ano fazendo aula. Eu me dediquei bastante e consegui acompanhar tudo direitinho. Com seis meses de ballet, minha professora fez uma iniciaçãozinha bem básica na ponta. Tive poucas aulas. Começarei mesmo esse ano a fazer aula de ponta. Acho que isso vai do julgamento da sua professora, que conhece (ou pelo menos deveria conhecer) você e seu pé. Ballet adulto é uma coisa ainda meio nova e os próprios professores estão criando seus métodos ainda e descobrindo as "regras", que são diferentes para nós. Converse mais com sua professora. Lá na comunidade de ballet adulto do Orkut tem umas infos. legais também! Beijo!

Esse deve ser meu último post antes do Carnaval, pois vamos viajar.
Bom carnaval e bom descanso para todas!

domingo, 7 de fevereiro de 2010

novidades da bailarina


Essa semana fiz minha segunda aula de pas de deux. Ainda na meia ponta. Minha turma de adulto só voltará depois do Carnaval (algumas, só em Março) e minha professora perguntou se eu não poderia fazer a aula da turma do médio naquele dia para que ela pudesse resolver um problema. Só que ela não me disse que era uma aula de pas de deux! rs Mas fiz... Conheço o professor, conheço os dois alunos que fizeram comigo... Acho que nem cheguei ao ponto de realmente pagar mico dessa vez. Como era a primeira aula deles após as férias, o professor pegou mais leve e fizemos uns exercícios básicos, que eram difíceis, mas que com bastante repetição eu conseguiria fazer quase direitinho haha Foi mais divertido do que da outra vez, porque éramos só três - um menino e duas meninas - então, tive mais tempo e mais orientação do professor para aprender os passos.

Nem posso descrever a alegria de estar de volta ao ballet! Mesmo sem ar condicionado! haha Minha escola mudou para um lugar que tem uma sala maior e ainda estão no processo de obras, mas mesmo assim, estou indo às aulas bem feliz. Pena que ninguém está indo! Gosto de companhia, mais uma ou duas meninas, mas também não me importo de fazer sozinha. O que me intriga é (como meu pai questionou esses dias): por que as pessoas acham que têm que tirar férias de exercício físico? Eu só parei porque a escola entrou de férias. Mas senti muita falta, estava subindo pelas paredes nos últimos dias, toda travada, querendo dançar! Não é só porque se está de férias, que o ballet tem que parar. A não ser que se esteja viajando. Certo...? Falando em viagem, eu e Bark vamos viajar novamente para Brasília no Carnaval, para visitar o haras que a mãe dele tem lá. Não somos fãs de folia e confesso que estou adorando uma semana de descanso. A única coisa ruim é que acabei de voltar com todo o pique pro ballet e vou ter que parar de novo. Estou louca pra começar de vez, fazer várias aulas e aprender e aprender e aprender...

Além da minha experiência de ter sido levantada por um menino que me fez sentir como uma pluma, a outra novidade é que fotografei duas bailarinas lá da minha academia essa semana, a Stephanie e a Isabella (que fez a aula de pas de deux comigo esses dias). Já queria fazer essas fotos há um tempinho, mas só consegui me organizar esse mês. Chamei a Tati, minha profutora e maquiadora aqui do estúdio, mandei as meninas trazerem tudo que tinham de ballet de casa e eis o resultado abaixo!










Para ver mais fotos, clique aqui.