domingo, 29 de março de 2009

a difícil busca por livros de ballet


Como é difícil achar bons livros (e DVDs!) de ballet em português! Amanhã irei pessoalmente à Livraria da Travessa porque pela internet o negócio tá muito escasso. Mas encontrei um site ótimo em inglês só de livros de ballet, o balletbooks.com. Pra quem fala fluente e viaja ou tem algum conhecido viajando, é só anotar o nome e pedir pra trazer, pois muitos não são caros.

Eis os que achei interessantes até agora:

Ballet Essencial - Flavio Sampaio - Editora SPRINT
100 lessons in classical ballet (método Vaganova) - Vera S. Kostrovitskaya
The Ballet Book - Darcey Bussell

Illustrated Book of Ballet Stories - Barbara Newman
Basic Principles of Classic Ballet - Agrippina Vaganova

métodos de ensino III

Eis o tópico que abri na comunidade de ballet adulto no orkut. As meninas de lá são uns amores e sempre tiram minhas dúvidas.

quarta-feira, 25 de março de 2009

métodos de ballet II

Perguntei hoje na aula qual era o método de ballet seguido lá na escola. Minha professora respondeu que não segue nenhum; faz uma mistura deles. Não sei se isso é bom ou ruim... Vou até comentar lá na comunidade de ballet adulto que participo no Orkut. Ela me contou a seguinte estória: quando os Estados Unidos começaram a dominar o mundo no século passado, Nova York tornou-se a capital mundial da cultura, inclusive da dança. Muitos bailarinos foram estudar lá e os americanos começaram a ensinar um método misturado. Ela disse que estudou tanto nos EUA quanto no Canadá e que era assim que eles ensinavam.

A boa notícia é que eu tenho 'pé de bailarina'! rs Desde pequena elogiam minha ponta e falam que meu peito de pé é lindo, mas quando se ouve isso fazendo ballet é outro brilho! haha

terça-feira, 24 de março de 2009

pesquisando sobre métodos de ballet

o.b.s: Este blog fala das minhas descobertas. Minha intenção aqui não é dar aulas de ballet, mas sim divulgar e analisar minhas próprias pesquisas e discutir com quem acompanha.

Como faço ballet há muito pouco tempo, ainda tenho muitas dúvidas. Hoje pesquisei sobre métodos de ensino e achei esse texto, que acho que me esclareceu bem. No blog da Cássia também tem um post falando de método de ensino.

"Existem vários programas de treiamento que os bailarinos podem seguir para tornarem-se bailarinos profissionais. Três dos maiores programas são o Cecchetti, o Russo Vaganova, e o da Royal Academy of Dance (RAD). Todos eles possuem diferentes níveis, do iniciante ao avançado, e todos possuem vantagens e desvantagens.
A técnica Cecchetti foi desenvolvida a partir das aulas do grande mestre de ballet Enrico Cecchetti, através da Sociedade Cecchetti. É um plano de aula completo, elaborado para treinar bailarinos para o trabalho profissional. Uma ênfase notável, no método Cecchetti, é dada à fluência dos braços, na passagem de uma posição para outra, muito mais do que em qualquer outro método.
A técnica Russa Vaganova é derivada dos ensinamentos de Agripina Vaganova, a qual foi diretora artística do Ballet Kirov por muitos anos. No método Vaganova, os bailarinos dão maior atenção para as mãos, as quais, diferentemente do método Cecchetti, não fluem invisivelmente de uma posição para outra, é dado à ela uma maior energia e imponência, deixando-a para trás e trazendo-a de volta no último momento. No método Vaganova os exercícios de cada nível não são estabelecidos como no RAD. Cada professor coreografa sua própria aula, de acordo com as diretrizes dadas à eles, os alunos dançam essa aula em seus exames. O método RAD é muito comum. Se ajusta muito bem às escolas de dança em que os alunos têm, em média, não mais que uma aula por dia.
A Escola do American Ballet ensina o método Balanchine. Criado por George Balanchine, permite aos bailarinos dançarem as suas coreografias de maneira muito mais fácil do que os outros bailarinos. Nesse método as mãos são diferentemente trabalhadas de todos os outros métodos.
Cada técnica também dá diferente nomenclatura para as direções do corpo, posições dos braços, arabeques e alguns dos passos. Por exemplo, a posição dos braços é conhecida como “bras bras” no método RAD, como “fifith em bas” no método Cecchetti e como “preparatória” no Vaganova. Contudo, as cinco posições básicas dos pés são as mesmas."

(fonte: http://www.bailarinas.kit.net)

Bom, acho que na minha escola o método dado é o Vaganova, porque falamos "posição preparatória" na posição dos braços citada acima. Fiquei de perguntar isso para minha profa. e esqueci. Na próxima aula, pergunto.

segunda-feira, 23 de março de 2009

Sting + ballet



Conheci esse vídeo através da Cássia, do blog Dos passos da bailarina. Amei. E quem diria o Sting bailarino? haha Bom, ele não dança no clipe, mas se alonga todo! O Bark toca violão e eu disse que assim que eu estiver dançando direitinho, a gente grava a nossa versão!

domingo, 22 de março de 2009

sapatilhas de meia ponta

Atualmente, esta é a sapailha que uso, da Capézio:

Assim mesmo: rosinha, com uma tira elástica, de couro sintético e sola inteira (como no modelo na foto abaixo:)



Quando eu me matriculei, comprei esta lá mesmo na escola e nem perguntei se haviam outros modelos de meia ponta. Depois, pesquisando na internet, achei vários interessantes. As sapatilhas de meia ponta não são caras, então perguntei pra minha profa. se poderia adquirir uma com a sola dividida . Ela disse que o tipo de sapatilha que eu estou usando no momento é o ideal pra mim, porque eu ainda sou "baby" no ballet e comentou algo sobre o pé ter que fazer mais força na de sola dividida. Estávamos no horário da aula e acabei não perguntando novamente o que ela quis dizer com aquilo, mas obedeci. Só que mal posso esperar para trocar de modelo! E quanto ao tamanho, o meu é 35. Nada de número menor. Experimentei a 35 e ficou perfeita e está até hoje.

Há sapatilhas com dois elásticos cruzados (que são as que eu quero), de couro ou de lona. A Carla (minha amiga que já fez anos e anos de ballet),disse que "lona suja muito", mas há quem prefira. Acho que as de lona devem ser mais "duronas", não?


[sapatilha Capézio de lona; sola dividida]


[sapatilha Capézio de couro ou lona; sola dividida]


[sapatilha antiaspirante D de Dança; sola dividida]

sexta-feira, 20 de março de 2009

dicionário de ballet

Encontrei esse dicionário na internet e salvei no meu Word. Uma das minhas maiores dificuldades é decorar os nomes dos passos, pois tenho o raciocínio meio lento e tento me dedicar ao máximo para fazer os movimentos corretamente. Fica difícil pensar em duas coisas. haha

Posições e Passos

-Demi-plié (pronuncia-se "demipliê"): Pode ser feito em todas as posições de pés. Os joelhos são flexionados até o máximo que a pessoa conseguir, desde que acompanhe a linha dos pés, sem tirar os calcanhares do chão. Serve para dar impulso aos saltos e a outros passos.

-Tendu (pronuncia-se "tandi"): Uma das pernas fica esticada à frente, ao lado ou atrás do corpo. As duas permanecem viradas para fora, e os ossos dos quadris ficam sempre em linha com os ombros

-Arabesque: Uma perna esticada atrás do corpo. A outra perna, pode estar esticada ou não. Os ombros e os quadris devem estar virados para frente.
Passé (pronuncia-se "passê")
O pé passa pela perna que está como apoio até chegar à altura do joelho. Forma a posição de um número "quatro” no ar. As duas pernas permanecem viradas para fora.

-Attitude (pronuncia-se "atitide"): Uma das pernas fica no ar, ligeiramente dobrada, e a outra fica como apoio. As pernas devem ficar viradas para fora (a coxa da perna que está no ar fica levantada, com o joelho apontando para o lado).

-Pirueta: Pode ser feita em várias posições, como no "passé", "arabesque"e "attitude". A perna de apoio deve estar firme para que o giro saia no lugar. Os braços e a cabeça ajudam a dar o impulso.

-Sissone: É um Salto em que as duas pernas ficam abertas no ar, enquanto o corpo se desloca na direção desejada. O impulso sai do "demi-plié", e as duas pernas saem do chão ao mesmo tempo. Pode ser feito para frente ("en avant"), para trás ("en arrière") ou para o lado ("à la second").

As Principais Posições dos Pés

Em todas as posições, os pés ficam para fora (posição "en dehors"), o que depende de as coxas e os joelhos estarem virados. Esta abertura parte do quadril.



-Primeira Posição
Com os calcanhares juntos, os pés ficam abertos um para cada lado, em linha reta. Os joelhos seguem a linha dos dedos dos pés.

-Segunda Posição
Partindo da primeira posição os pés ficam afastados entre si por uma distância aproximada de um pé.

-Terceira Posição
Com os pés virados para fora, o bailarino coloca um pé na frente do outro, unindo-os. O calcanhar do pé da frente fica na metade do pé de trás.

-Quarta Posição
Com os pés cruzados e afastados, um pé fica na frente do outro. Imagina-se que há um pé em posição natural entre eles.

-Quinta Posição
Como na terceira posição, os pés ficam unidos uma na frente do outro. O calcanhar de um pé toca os dedos do outro pé.

As Principais Posições dos Braços

Existem outras posições de braços, que partem das posições descritas aqui. Seus nomes variam de acordo com os métodos usados hoje são de origem inglesa, russa e cubana.



-Primeira Posição
"Braços abaixados". Como se estivesse segurando uma melancia, as mãos ficam próximas uma da outra e quase tocam as pernas

-Posição Preparatória
Os braços e as mãos ficam na altura do estômago, arredondados, como se segurasse uma grande melancia. Os cotovelos ficam virados para fora.

-Segunda Posição
Os braços ficam ao lado do corpo, levemente arredondados. As mãos acompanham a linha dos braços.

-Quinta Posição
Os braços ficam arredondados, ligeiramente à frente da cabeça.

A

ADÁGIO - Derivado do italiano – lentamente.


a) qualquer dança ou combinação de passos feitos para a música lenta;
b) série de exercícios efetuados durante a aula com o fito de desenvolver a graça, o equilíbrio e o senso de harmonia e beleza das linhas;
c) parte dos pas de deux clássicos dançados pela bailarina e seu partner. Chamado pelos franceses de Adage.

ALLEGRO - Palavra italiana derivada do latim Alecer (vivaz).

a) qualquer dança ou combinação de passos feito para uma música de tempo rápido ou moderado;
b) parte da aula que segue o Adágio;
c) todos os passos rápidos, como saltos, bateria etc., em balé, são parte do Allegro.

APLOMB - Aprumo. Dá-se o nome de Aplomb à elegância e ao controle perfeito do corpo e dos pés, conseguido pelo bailarino ao executar o movimento.

ARABESQUE - Arabesco. Palavra originária do árabe significando ornamento.
Posição na qual o peso do corpo é sustentado numa só perna, enquanto a outra se encontra esticada para trás, geralmente no ar e com os braços dispostos de maneira harmoniosa.
Esta posição apresenta variações tais como:
1.. o pé que sustenta o corpo pode estar totalmente apoiado no chão, na meia ponta, ou na ponta;
2.. a perna que sustenta a pose pode estar ou não flexionada;
3.. a posição do corpo pode estar alongada (allongée), ou inclinada (penchée);
4.. também os braços sofrem alterações, sendo eles que determinam as qualificações dos arabesques.

B

BALANCÉ- ou Pas de Valse - Balanceado. É um passo balanceado em ritmo de valsa. O bailarino dá um passo ao lado com uma perna, trazendo a outra para trás desta, com o joelho meio dobrado e a meia ponta no chão; em seguida, transfere o peso do corpo para a perna de trás e logo em seguida para a da frente, sem mudar a posição de ambas.
Pode ser feito também cruzando-se a perna em frente ou dando-se o passo para frente ou para trás, em vez de ao lado.

BALLET - Balé. Derivado do italiano ballare (bailar). É um conjunto de passos de dança executados em solo ou em grupo. Balé reúne, na sua maioria, várias artes, tais como música, pintura (cenários e figurinos), arte dramática (mímica e interpretação), com a dança na sua forma clássìca ou moderna.

BASQUE, PAS DE- Passo de basco. Passo cujo nome indica sua origem. Foi introduzido no balé clássico por Maria Camargo (1 710-1770). Pode ser glissé (deslizado) ou sauté (saltado), en avant (para frente), ou en arrière (para trás).

BATTEMENT – Batida, pancada. Termo genérico designando certos exercícios e movimentos da perna e do pé, executados sob a forma de batidas. Basicamente, em balé, o termo battement significa a extensão total ou parcial da perna e do pé e seu retorno à posição inicial.

BATTU – Batido, golpeado. Este termo, ainda que relacionado a qualquer passo, mantém-se inalterado, significando apenas que o bailarino bate as pernas durante a sua execução. Por exemplo, um assemblé battue é um assemblé comum, porém com uma batida das pernas no ar.

BOURRÉE, PAS DE – Bourrée é o nome de uma dança folclórica das províncias de Auvergne e Berri. Sua conexão com os pas de bourrée do balé clássico é obscura, tendo sido introduzido com certa estilização, por alguns coreógrafos contemporâneos. É um passo de locomoção em geral com três movimentos das pernas, feitos em qualquer direção.

C

CHAT, PAS DE – Passo de gato. Passo em que o bailarino, começando de 5a posição, levanta a perna de trás num retiré, estando em demi-plié na perna de sustentação, pula lateralmente sobre a perna levantada, ao mesmo tempo em que levanta a outra em retiré e fecha 5a no demi-plié. O pas de chat italiano é feito com as duas pernas dobradas no ar ao mesmo tempo.

CONTRETEMPS - Contratempo. Passo composto de um coupé chassé, temps levé, chassé passé. 5a posição, direita em frente; coupé com a perna esquerda, chassé en avant com a direita, um temps levé sobre a perna direita, com a esquerda atrás em arabesque, e um chassé passé com a esquerda terminando em 4a allongée, com o peso sobre a perna esquerda em demi-plié e a direita atrás em degagé a terre.

COREÓGRAFO - Do grego Khoros (danÇa) e grapho (escrita), designa a pessoa que cria um balé; os passos e danças que, em seqüência, formam um balé. No princípio do século XVIII, este termo significava "anotador de dança"; como em geral era este quem também criava os passos do balé, a palavra passou a cobrir ambas as atividades. Quando desapareceu a arte de escrever os balés, o termo coreógrafo passou a significar apenas "criador de balé".

COREOGRAFIA - Termo usado no século XVlll para designar a arte de "anotação de danças" e que agora significa "seqüência de passos e movimentos que compõem um balé".

COTÉ, DE - Ao lado. Não é um passo; este termo, quando adicionado a qualquer passo ou exercício, significa que este deve ser executado ao lado.

CROISÉ - Cruzado. Uma das oito direções do corpo do bailarino em relação ao palco e ao espaço circundante.

CROIX, EN - Em cruz. Fazer qualquer exercício en croix significa executá-lo em frente, ao lado, atrás e de novo ao lado.

D

DANSEUR NOBLE - Bailarino nobre. Nome em geral usado para designar a primeira figura masculina de um balé, o herói romântico, como o tenor numa ópera.

DANSEUR, DANSEUSE - Bailarino, bailarina.

DANSE DE CARACTERE - Dança folclórica ou a caráter.

DEBOULÉS - Rolar. Pequenos tours, em geral feitos em séries, em que o bailarino executa pequenas voltas, transferindo o peso do corpo de uma perna para outra. O mesmo que CHAINÉS.

DEDANS, EN - Para dentro. Indica que: (a) o movimento da perna é feito numa direção circular de trás para frente; (b) uma pirueta é executada girando para o lado da perna de sustentação.

DEGAGÈ- Afastado. Posição em que o bailarino se encontra sobre uma perna, com a outra afastada, ponta esticada, em frente, ao lado ou atrás. 0 degagé pode ser à terre, com a ponta tocando o chão, ou en I'air, com a perna levantada a meia ou grande altura.

DEHORS, EN - Para fora. Indica que: (a) o movimento da perna é feito em direção circular da frente para trás; (b) uma pirueta é executada girando-se para o lado da perna que levanta do chão.

DEMI - Meio, metade. Qualquer posição ou passo efetuado de maneira pequena ou pela metade.

DEMI POINTE - Meia ponta, ou seja, sobre a sola dos dedos dos pés.

DERRIÈRE - Atrás. Qualquer passo, exercício ou posição executados atrás, isto é, com a perna fazendo o movimento atrás da outra ou então fechando atrás.

DESSOUS - Embaixo. Qualquer passo executado com a perna de ação passando atrás da outra.

DESSUS - Em cima. Qualquer passo que quando executado, a perna que comanda a ação passa na frente da outra.

DEUX, PAS DE - Passo de dois (ou passo a dois). Uma dança para duas pessoas. Grand pas de deux, nome dado nos balés clássicos para os pas de deux feitos pela primeira bailarina e pelo primeiro bailarino, destinado a mostrar sua virtuosidade, e em geral consistindo de entrada, adágio, variação para a bailarina, variação para o bailarino, concluindo com uma Coda.

DEVANT - Em frente. Termo relacionado a qualquer passo ou exercício que é executado em frente, isto é, com a perna fazendo o movimento em frente da outra, ou então fechando na frente.

E

ECARTÉ - Separado. Uma posição do corpo, oblíqua para o público, na qual o braço e a perna estão estendidos no mesmo plano vertical e diagonal como o resto do corpo. As outras posições do corpo são en face, croisé, ouvert (ou effacé).

ELEVATlON - Elevação. A altura dos saltos do bailarino. Termo aplicado a todos os movimentos aéreos, isto é, feitos no ar, com pequenos ou grandes saltos.

ENCHAINEMENT - Encadeamento. Qualquer combinação de vários passos numa aula é um enchainement.

EN FACE - De frente. Uma das direções do corpo, quando o bailarino está bem de frente para o público.

ENTRECHAT – Termo provavelmente originado do italiano cabriola intrecciata, ou seja, cabriola cruzada. Um salto no ar de 5a posição em que o bailarino , no ar, cruza as pernas uma, duas ou três vezes.


F

FOUETTÉ - Do termo francês fouetté (chicote). Devido à grande diversidade dos vários passos, tanto da barra, de adágio e de allegro, denominados fouettés, é todo movimento seco (chicoteado) executado pela perna, ou pela perna e corpo, quando este faz um movimento, virando para o lado contrário da perna.


J

JETÉS – Jogados. Passo de allegro. São diferentes tipos de saltos. Pode ser petit jeté, jeté ordinaire, grand jeté, grand jeté en avant, grand jeté en tournant, jeté passé, jetés battement, jetés elancés e, na escola russa, ainda o jeté fermé.


M

MÁITRE-DE-BALLET, MAITRESSE-DU-BALLET OU CHEFE DO BALÉ - É o responsável, junto ao coreógrafo, por manter e remontar, quando necessário, a obra, respeitando sua autenticidade, qualidade técnica e artística. O maitre-de-ballet também dá aulas à companhia cuidando da unidade de trabalho e estilo que estão sob a sua responsabilidade.

MANÉGE - Picadeiro, indica a forma em que o bailarino executa os tours, quando estes são feitos ao redor do palco, como se circundasse um picadeiro imaginário.

MARCHÉ, PAS - Passo marchado ou andado. Um passo comum, feito com o pé esticado, colocando-se primeiro no chão a meia ponta e em seguida o calcanhar.


P

PAS - Passo. Um único movimento de perna, quando no ato de andar ou dançar.

PIROUETTE – Pirueta. Uma volta inteira do corpo executada sobre uma perna (na ponta ou meia ponta), enquanto a outra está dobrada, com o pé em frente ao joelho da perna de sustentação. Quando a volta é feita para o lado da perna que levanta, a pirueta é en dehors; quando a volta é para o lado da perna de sustentação, a pirueta é en dedans.

PLIÉ - Dobrado. Flexão dos joelhos. Um exercício que compõe quase todos os outros da barra.

PORT DE BRAS - Movimento dos braços.

PROFESSOR (A) - É aquele que ensina em diferentes níveis aos alunos a técnica da dança, desde seus princípios básicos até o nível profissional, dependendo de sua capacidade.

PROMENADE - Passeio, uma volta lenta dada sobre um pé (toda a planta no chão ou na ponta, neste último caso com a ajuda de um bailarino), enquanto a outra perna está numa dada posição (arabesque, por exemplo). Devem-se tomar como eixo os dedos do pé, enquanto o calcanhar vai executando uma volta completa em torno dele (o eixo).


Q

QUATRE, PAS DE - Passo de quatro. Uma dança para quatro pessoas. Numa coreografia pode haver solos até para dez pessoas, homens e mulheres. Depois desta quantidade já é considerado Corpo de Baile.


R

REPETITÉUR (ENSAIADOR)
É o assistente do maitre-de-ballet, ensaia as diversas partes da obra, variações, solos, grupos, corpo de balé e é também professor categorizado.


T

TOUR - Volta. O mesmo que pirueta. Em geral as grandes piruetas são mais comumente chamadas tours. Exemplo, pirueta en attitude ou tour en attitude. Também as que são feitas em séries, como o tour piqué.

TOUR EN L'AIR - Volta no ar. Em geral, passo para o bailarino homem. Saindo de 5a posição (ou qualquer outra, em geral 2a ou 5a) no demi-plié, o bailarino dá um salto para cima com as pernas bem juntas ao mesmo tempo em que vira uma ou mais voltas no ar com o corpo.

TOURNANT, EN - Virando. Adicional aos passos que podem ser feitos com uma volta do corpo. Como, por exemplo, o assemblé soutenu, que pode ser simples (sem a volta) ou en tournant.

TROIS, PAS DE - Passo de três pessoas. Variação de dança feita por três bailarinos, em geral duas moças e um rapaz.


V

VALSE, PAS DE - Passo de valsa. O mesmo que balancé.

pra começar...

Adorei os comentários, elogios, incentivos! Que bom que gostaram do blog!

atualizando:

Ontem não consegui ir ao jazz e eu e Bark (meu namorado e sócio) nos inscrevemos num curso de fotografia de moda (yay!) que será... toda Terça e Quinta! Sempre soube que era o ballet que eu queria, mas ia fazer também o jazz no mês de Março pelo menos para não ficar parada e dançando só uma vez na semana. Mas quando não é pra ser, não é. Semana que vem falarei com minha querida profa. Natália: só ballet! Dois dias na semana, começando em Março; nada de esperar até Abril pra abrir na Sexta-feira! haha

Figurino

Não sei se contei que me ofereci para ajudar no figurino das apresentações! Estou muito empolgada com isso também. Geralmente não gosto dos figurinos das escolas de dança. São feitos por costureiras ou professoras que não têm muita experiência, que não fazem muitas pesquisas. E como eu já tive aula de figurino na faculdade e adoro uma "fantasia" (não de carnaval, e sim de fairy tale), decidi me oferecer. Olhando fotografias, até gostei bastante dos figurinos do N.A.C dance, mas mesmo assim, quis ajudar. E quem os faz? Minha professora, que é a dona da escola. Ela adorou a idéia, claro!

Acho que o figurino mais rico de se trabalhar no ballet é o do Quebra-nozes. Baixei um vídeo com o Baryshnikov e não gostei do figurino, achei tão simples... Agora baixei um do Royal Ballet do Covent Garden e pelo que já vi, é bem mais bonito.
Um figurino lindo também é o de Giselle. Confesso que ainda não vi esse ballet, mas pelo que observei de imagens e vídeos no you tube, amei.

(Ballet of Georgia. Nina Ananiashvili como Giselle)

quarta-feira, 18 de março de 2009

introdução

Meu nome é Carolina Lancelloti, tenho 21 anos, sou formada em moda e tenho um estúdio de fotografia em sociedade com meu namorado, o Bark Studio. Sou bailarina de primeira viagem. Tive como inspiração o blog da Cássia, Dos Passos da Bailarina. Adorei achar um blog cheio de informação, vídeos, bom-humor, layout bonito e atualizações frequentes sobre ballet adulto.
O intuito do meu blog é guardar informações, imagens e vídeos que eu achar legais e fazer um diário da minha vida de bailarina.

(A intro é longa, mas resumi o máximo que pude!)

Acho que sou a única garota que conheço que não fez ballet na infância. Fiz ginástica olímpica. Sempre gostei de artes em geral. Já quis ser cantora, ilustradora, escritora, estilista... Desde criança amo dançar e sou apaixonada por musicais, de Disney à Broadway. Aos 11 anos fiz minha primeira aula de jazz. Era um jazz meio fajuto, no Municipal da Tijuca, mas eu gostava. Antes da minha aula de jazz, ficava observando as meninas de ballet. Achava lindo, mas me julgava muito velha para fazer!(Não sei por que existia essa mentalidade de que ballet só se começava aos 5, 6 anos de idade) Um tempo depois, encontrei minha felicidade no street dance. Fiz por três anos, era a melhor aluna, ficava na frente nas apresentações e minha cabeça se fechou para aquelas bailarinas que passavam lindas na minha frente. Quando fiz 15 anos decidi que queria fazer todas as danças, inclusive o ballet. Mas minha mãe se recusou a pagar e eu acabei ficando com o street, e o abandonando logo depois.

Passei anos lutando contra os quilinhos a mais. Fiz natação, academia, vôlei... mas nada me deixava realmente feliz. Decidi então voltar a dançar. O ballet sempre me causava um estranho tipo de identificação, como se eu já tivesse dançado em outra vida. Olhava algum vídeo ou foto e o coração pedia alguma coisa... Decidi então que minha resolução do ano novo de 2007 para 2008 seria entrar para uma aula de ballet adulto (já que estava na ´moda´ mesmo...) Não consegui pagar. A resolução foi esquecida até ver o filme O Curioso Caso de Benjamin Button no cinema. As cenas de Daisy me despertaram e ouvi o ballet me chamando de novo. Fiz minhas contas e vi que poderia começar a pagar as aulas. Na semana seguinte, entrei para uma turma iniciante na N.A.C Dance. Foi paixão ao primeiro plié.

Depois de duas semanas, feliz e contente, pesquisando na internet vídeos, nomes, etc, meu estúdio foi contratado para fotografar o programa Palco MPB da MPBfm toda Segunda à noite, na hora do meu ballet. Estava adorando minha professora, a turma vazia, a escola, que era perto de casa... Conversei com a profa. e fizemos um acordo: talvez em Abril ela inclua aula na Sexta-feira, caso entre mais gente. Por enquanto, eu farei dois dias de jazz para iniciante e um dia de ballet. Ela disse que o jazz tem excercícios muito parecidos com o ballet. Tem até barra - o que eu nunca imaginaria! Topei. Caso eu não goste de jeito nenhum do jazz, mesmo que não entre mais gente na turma em Abril, ela abre Sexta-feira pra mim, pois gostou da minha dedicação e "não quer me perder como aluna". Também me ofereci para ajudar a montar os figurinos das apresentações - o que antes era tarefa dela sozinha - e meu estúdio deve ser chamado para fotografar as mesmas! Melhor impossível!

Acho que entrar no ballet com a minha idade me deu uma disciplina que eu não teria mais nova. Com certeza faltaria aulas, ficaria de saco cheio. Hoje, se falto uma aula, fico triste! É porque é uma escolha, de corpo e alma. E é uma conquista, pois eu que proporcionei isso para mim mesma.

Finalizando...
Amanhã farei minha primeira aula de jazz e volto aqui para contar.

Sejam bem-vindos ao Meia Ponta!