domingo, 26 de maio de 2013

Liberdade


Irônico. Antes, eu não podia voltar ao ballet porque minha vida freela estava muito instável. Então, consegui um job fixo. A animação de voltar a dançar em Março desse ano era imensa, mas foi breve. Isso porque tive que aceitar o fato de que nunca conseguiria chegar a tempo da aula.

A alternativa? Chegar atrasada mesmo... Minha professora me ofereceu também a barra do jazz, do horário seguinte, para preencher a lacuna. Confesso que torci o nariz. Mas o próprio ballet me ensinou que nunca é tarde para se aprender algo novo, abrir a mente, mudar. Logo, estou aos poucos aceitando a sugestão... 

Enquanto não volto a dançar, mantenho meu corpo em movimento de maneiras diferentes -- antes nunca imaginadas! Quem me segue no Instagram, Pinterest e Twitter chegou até a me perguntar se eu havia "trocado o ballet pelo skate". Não é bem assim. 

Sou uma pessoa de muitas paixões, de muitos interesses, tanto que chega a ser difícil ter foco. Mas isso tem o lado bom: o lado da versatilidade. O ballet já foi um desafio, uma novidade assustadora e, ao mesmo tempo, excitante. Hoje, é assim que me sinto em relação ao skate. Mas isso não quer dizer que seja preciso substituir uma coisa pela outra. 

Percebo que não perdi o ballet quando as pessoas comentam que a bailarina nunca sai de mim, seja quando faço um coque, quando subo na meia ponta altíssima para fotografar, ou quando alongo em qualquer lugar.

Entendam, eu gosto é de agregar. Porque agregar foi a maneira que encontrei de viver tudo aquilo que amo. É um ato de liberdade, que só pode vir da gente mesmo. É preciso se permitir. É preciso encontrar simplicidade nas coisas. 

 A dança está ali, está aqui, e uma hora, ela volta. 

4 comentários:

Liswyn disse...

Sim, você tá coberta de razão. Se eu entendi o sentido de "agregar" que você expressou, digo que sou da mesma filosofia. Uma pessoa não se define pelo que mais ama, nem por uma atividade apenas. Você surfa, anda de skate e é bailarina. Nossa, que estranho! Né? Não!! Eu luto Kendo há 2 anos e comecei o Ballet há 2 meses. Nunca me senti tão bem. E também trabalho com fotografia, haha! Acho que o que define uma pessoa não é uma ou outra coisa que ela gosta ou faz, mas sim o conjunto todo de gostos, atividades, manias e defeitos.

Continue buscando a dança, dançar é maravilhoso! Ainda que sobre 4 rodas ou numa prancha sobre ondas, hehe.

Isabelle disse...

Oi, boa tarde, tudo bem? Sou Isabelle tambem sou blogueira, sou nova no blog e estou ate te seguindo voce poderia visitar meu blog? Ai esta o link:
http://ballet-love-forever.blogspot.com.br/

Se puder segue de volta? Desde ja obrigada.

thatiana Bandeira disse...

Oi Carol,
lindo o seu blog! Estava pesquisando no google onde acho roupa de ballet em Miami e descobri o seu blog...
Tenho 35 anos e comecei o clássico no mês passado (era um sonho antigo, mas eu sempre acabei deixando para depois...)
Já tinha feito clássico quando eu tinha uns 04, 05 anos e depois com 10 fui para o jazz e aí fiquei por muito tempo! Com 27 fui fazer moderno e aos 30 parei de dançar. Para mim está emocionante fazer o clássico e nem me sinto velho para isso!!!
Estou me desfrutando com seus posts.
Beijos e parabéns!
www.maisquenovemeses.blogspot.com.br
P.S. Eu quase esperei para começar o ballet depois de ter bebê, mas pesquisei e concluí que a melhor hora para se iniciar o ballet é HOJE!

Paula Cleveland disse...

Oiiii, acompanhei seu blog por um bom tempo! E agora quero indicar você na minha lista de blogs, posso? Um beijo! :)