terça-feira, 14 de agosto de 2012

A importância dos braços



De uns tempos pra cá, tenho prestado bastante atenção numa parte do corpo que muitas vezes é deixada de lado pelas bailarinas iniciantes: os braços.

Isto porque, quando se começa, há muito mais interesse nas pontas, nas pernas e na flexibilidade. Uma coisa que muitas bailarinas não reparam é que grande parte da expressão na hora de dançar vem dos braços (e mãos!). Estou cada vez mais apaixonada por eles!

Antes, eu achava que ia demorar muito até o ballet começar a moldar os meus braços, visto que a gente só acaba dançando mesmo em época de ensaios. Mas depois comecei a reparar nas dores que eu sentia após uma aula de retorno de férias. Senti as mesmas dores esta semana e pensei a mesma coisa "Nossa, como a gente trabalha braço sem saber!"

Engana-se quem pensa que os músculos dos braços não estão sendo trabalhados no ballet, seja na barra, no centro ou na diagonal. No centro é onde mais sofro, sustentando os dois nas diversas posições enquanto realizo os passos.

O negócio com o braço do ballet é nunca deixar o cotovelo cair. Minha professora diz que você tem que se sentir como se estivesse pendurada num varal por pregadores. haha Quando você encontra a posição correta, é quando começa a sentir a dor da malhação. Eu demorei todos esses 3 anos de ballet para realmente entender e até hoje me policio 100% do tempo para manter tudo no lugar. É difícil, mas quando se encontra a tal linha, fica tudo mais bonito! Os braços são como molduras, penso eu.

Conforme o nível das aulas vai subindo, vamos misturando cada vez mais posições de braços com sequências de passos e saltos e, apesar de caótico, estou adorando e tentando me dedicar ao máximo.

Aprendi que uma bailarina não é nada sem braços bonitos e expressivos. Prova do quanto eles são importantes é o révérence, o agradecimento que fazemos no final de todas as aulas. É uma das minhas partes favoritas, porque em muitas aulas é o único momento no qual dançamos de verdade. E se pararmos para observar, ele é praticamente uma sequência de movimentos (lindos) de braços.

Fazer o révérence no final de toda aula me ajudou a desenvolver mais esse lado expressivo. Então, se tem uma dica que posso dar a respeito de braços é: se joga no révérence! haha

Não consegui encontrar videos bons de révérence no YouTube para finalizar o post, então vai esse, que é no mínimo fofo:




14 comentários:

Julia disse...

Olá! Achei seu blog uma graça! Sempre quis fazer ballet, tenho vinte anos e pretendo começar agora. Sou de Brasília, não sei se você ainda mora aqui, mas queria saber onde você fazia ballet aqui. Obrigada! :)

Vivian disse...

Olá, eu queria me corresponder com outras bailarinas, sou professora de ballet e gostaria de conversar com outras bailarinas, sobre ballet e outras coisas, seia muito bom conhecer gente nova, quem quiser d.paulafamily@gmail.com

Beatriz C. disse...

Oi Carol, tudo bem?
Gostaria de dizer que seu blog é uma super inspiração para mim... resolvi voltar a fazer ballet aos 24 anos e estou muito feliz com isso =)

Eu criei um blog para compartilhar minhas experiências também, e me de certa forma o nome dele é parecido com o seu (seria Primeira Ponta, porque vou começar nas pontas agora). Eu queria te perguntar se, para vc, teria problema usar esse nome - para não ter problemas com questão de plágio e tal...
Aguardo respossta!
bjs!

Bluma S. disse...

Carol, tudo bem?

Amei esse cantinho e sem dúvida vou me tornar cativa. Conheci o Meia Ponta através de um post seu no "Loja Ana Botafogo" e prontamente me identifiquei. Temos trajetórias, sensações e percepções extremamente parecidas no cenário do Ballet, eu diria. Tenho vinte anos e sou bailarina adulta há dois, embora eu tenha feito quatro anos de Ballet, dos sete aos onze e parado até os 18.
Enfim... Queria manter contato para "trocarmos figurinhas". Posso mandar uma solicitação pelo Facebook?

Abraços!

Jynn disse...

Olá, Carol!

Eu leio seu blog há algum tempo, mas só agora criei uma conta fixa para comentar. Realmente, os braços são essenciais. Logo quando iniciei, ficava observando como as grandes bailarinas os utilizavam. É algo que chama atenção. Tanto se bem feito quanto se mal feito. Imagine uma bailarina fazer tudo bem limpo, mas com os braços meio capengas. É feio e mata a dança ali.

Jessica Carvalho disse...

Oie Carol, tudo bom?
Quero dizer que adorei o seu blog e as informações nele. Não faço ballet, o que me deixa extremamente triste, mas tenho uma vontade enorme de fazer. Seu blog só intensifica mais essa vontade! Mesmo não sabendo das tecnicas leio cada um de seus post com atenção e agradeço pelos conhecimentos que você passa!

Um beijo!

Anônimo disse...

Cadê você?

Vania Soares disse...

Olá Carol.
Parabéns pelo blog. É completo, muito informativo; ótimo para quem está iniciando ou até no último ano de ballet – revendo os nomes dos passos e descobrindo outras bailarinas de outros lugares para trazer inspiração.
Danço desde os 6 anos, mas comecei a fazer ballet neste ano, aos 19. Lembro-me da minha primeira professora de Street Dance dizendo que o Ballet é a porta para qualquer dança e que se eu quisesse me tornar uma excelente dançarina, teria que começar pelo B.A.B.A mesmo. Mas, não é só por causa da flexibilidade e disciplina, é uma dança apaixonante, na qual as pernas e o pés são matérias, e os braços e o rosto é a alma - ambos quando misturados ajuda a transmitir a mensagem, por isso devem ser tão trabalhados.
Obrigada por unir quem ama a dança em um único espaço, compartilhando esperiências doloridas, mas tão boas que só quem ama e dança sabe.

Geisa Vitte e Amábilly Furtado disse...

http://tudosobreumabailarina.blogspot.com.br/2012/09/a-importancia-dos-bracos.html CAROL OLHA ESSE BLOG, TE PLAGIARAM!

Maristella Pereira do Nascimento disse...

Olá, tudo bem?
Sou da Belém Com, assessoria de imprensa da Rede Cinemark, e gostaria de cadastrá-la no nosso mailing.
Será que você poderia nos passar os seus contatos, por favor? Nome, telefone e e-mail...
Será ótimo ter você com a gente para as próximas divulgações de óperas e balés.
Obrigada!
Aguardo seu contato.
Abs, Maristella Pereira.

Anônimo disse...

Ola. tbm sou de Brasilia. Ame seu blog. Onde vc faz balé?

Cecília Rezende disse...

Carol,
Estou encantada com seu blog! Li seu post mais recente e dei uma passadela de olho pelos anteriores, incluindo o primeiro deles. Eu não sou de comentar em blogs nem nada do tipo, mas foi impossível dessa vez. Que coisa linda de ler! Suas descobertas, seus progressos, suas dicas!
Tenho 27 anos e comecei a dançar aos 3 anos, quando ainda morava em Bsb. Quando minha família e eu nos mudamos pra Uberlândia-MG, a primeira coisa que perguntei foi "Lá tem ballet?", senão, nada feito! Comecei a dar aulas aos 19 anos durante a faculdade de biomedicina e atualmente estou dividida entre essas duas paixões. Em 2010 comecei a dar aula para adultos, e foi um grande desafio. E uma grande realização! Ver o brilho nos olhos de pessoas que, como você, começaram a dançar depois da adolescência faz meu coração saltar! É lindo ver cada descoberta que vocês fazem, as novas percepções de seus corpos e o avanço diário! O trabalho com
crianças é muito diferente e igualmente encantador, mas tenho um xodó especial pelas turmas de adulto. A princípio senti muito medo, não sabia como iria transmitir o que sei e oq ue já vivi de forma que os estimulasse a prosseguir e, principalmente, que não ocasionasse lesões. Tive uma aluna de 45 anos e me preocupava muito com eu ia passar pro corpo dela um conceito que muitos aprendem aos 5. E fico tão feliz de vê-la agora, dois anos depois, já dando seus primeiros passos na ponta!
Fico imensamente feliz de ver que a cada dia há mais e mais pessoas descobrindo e redescobrindo a dança. Uma dança que está dentro de nós e que precisa ser compartilhada com o mundo, mesmo quando só os olhos do nosso coração estejam vendo.
Parabéns! Que NossaSenhoradoGrand-jeté esteja sempre contigo e com todas nós!
bjoks dançantes!

Juliana Vogel disse...

Tenho 25 anos, comecei o Ballet há um mês e até agora o que percebo que tenho mais dificuldade é com os braços... Não sei qual o problema, mas definitivamente ainda não consegui sincronizar braços e pernas ao mesmo tempo... As vezes chego a ficar chateada pensando que nunca vou conseguir... Torço muito que seja só falta de experiência e não falta de coordenação motora pois não consigo mais me imaginar sem o ballet e a ansiedade por aprender mais e mais está me consumindo...rsrs
Ta aí mais um exercício que o ballet nos leva a experimentar: o da paciência !! rsrs
Adorei seu blog ! Parabéns !!

Laís Costa disse...

Recomecei a fazer ballet a pouco tempo... E eu tenho muito problema com os braços, pq vivo prestando atenção no meu pé, ai quando percebo o braço está horrível kkk