segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Sorteio Meia Ponta + Cinemark

Ballerinas, quanto tempo!

Muita coisa aconteceu desde a minha última postagem. Estou de volta ao Rio e aguardando ansiosamente meu retorno às aulas. Enquanto isso não acontece ($abe como é), faço da minha varanda minha barra e a Pedra da Macumba, no Recreio, meu espaço de alongamento. rs

Espero que vocês possam reler e curtir os posts antigos, até eu retornar com algumas novidades. É sempre válido, né? E também podem curtir a página do blog no Facebook; sempre rolam umas coisas fofas por lá.

Bem, vamos ao que interessa! Tenho um presente pra vocês (como eu amo presentear os leitores aqui no blog!)  Cá estou, como prometido, para sortear um par de convites para a temporada 2012/2013 do Royal Opera House nos cinemas! Não é muito amor?

me segue lá no instagram: @lancelloti ;)


Os convites são válidos para qualquer apresentação, desde as que já estão rolando agora em Novembro até Junho de 2013! Para conferir a programação completa, só clicar aqui

Para participar, só deixar nome completo e email nos comentários deste post. (Tentei fazer de outras formas, como um formulário no Google Docs, mas não consegui, gente, desculpe rs) Eles serão apagados posteriormente, quando o sorteio encerrar, ok? Como sempre, faço o sorteio com a ajuda do Random.org e do nosso querido print screen, e depois mostro tudo certinho pra vocês.

O resultado sairá já nesta Quarta-feira, dia 7, na página do blog no Facebook. O vencedor será notificado também via email no mesmo dia.

Fiquem atentos porque quero enviar os convites logo, as apresentações já estão rolando ;)

Beijo e boa sorte!

--SORTEIO ENCERRADO no dia 08/11/2012 (com 37 participantes) -- 

terça-feira, 14 de agosto de 2012

A importância dos braços



De uns tempos pra cá, tenho prestado bastante atenção numa parte do corpo que muitas vezes é deixada de lado pelas bailarinas iniciantes: os braços.

Isto porque, quando se começa, há muito mais interesse nas pontas, nas pernas e na flexibilidade. Uma coisa que muitas bailarinas não reparam é que grande parte da expressão na hora de dançar vem dos braços (e mãos!). Estou cada vez mais apaixonada por eles!

Antes, eu achava que ia demorar muito até o ballet começar a moldar os meus braços, visto que a gente só acaba dançando mesmo em época de ensaios. Mas depois comecei a reparar nas dores que eu sentia após uma aula de retorno de férias. Senti as mesmas dores esta semana e pensei a mesma coisa "Nossa, como a gente trabalha braço sem saber!"

Engana-se quem pensa que os músculos dos braços não estão sendo trabalhados no ballet, seja na barra, no centro ou na diagonal. No centro é onde mais sofro, sustentando os dois nas diversas posições enquanto realizo os passos.

O negócio com o braço do ballet é nunca deixar o cotovelo cair. Minha professora diz que você tem que se sentir como se estivesse pendurada num varal por pregadores. haha Quando você encontra a posição correta, é quando começa a sentir a dor da malhação. Eu demorei todos esses 3 anos de ballet para realmente entender e até hoje me policio 100% do tempo para manter tudo no lugar. É difícil, mas quando se encontra a tal linha, fica tudo mais bonito! Os braços são como molduras, penso eu.

Conforme o nível das aulas vai subindo, vamos misturando cada vez mais posições de braços com sequências de passos e saltos e, apesar de caótico, estou adorando e tentando me dedicar ao máximo.

Aprendi que uma bailarina não é nada sem braços bonitos e expressivos. Prova do quanto eles são importantes é o révérence, o agradecimento que fazemos no final de todas as aulas. É uma das minhas partes favoritas, porque em muitas aulas é o único momento no qual dançamos de verdade. E se pararmos para observar, ele é praticamente uma sequência de movimentos (lindos) de braços.

Fazer o révérence no final de toda aula me ajudou a desenvolver mais esse lado expressivo. Então, se tem uma dica que posso dar a respeito de braços é: se joga no révérence! haha

Não consegui encontrar videos bons de révérence no YouTube para finalizar o post, então vai esse, que é no mínimo fofo:




sábado, 4 de agosto de 2012

Ballet Beautiful: entrevista com Mary Helen Bowers


Ballerinas, há tempos que eu prometia esse post: a tradução de parte de uma entrevista com a bailarina Mary Helen Bowers para a revista Lula (que eu amo!). A Lula é uma revista inglesa e sempre publica matérias sobre ballet.

Mary Helen Bowers é criadora do Ballet Beautiful, um programa que torna o ballet possível para todas as mulheres. Ela se tornou bailarina profissional aos 16 anos (quando entrou para o New York City Ballet), aposentou-se para fazer faculdade e quando retornou à dança, treinou Natalie Portman para o filme Cisne Negro

Foto: Reprodução


Selecionei as partes que considerei mais bacanas, que falam da importância de um corpo saudável, o lado bom dos palcos e também o lado que fez Mary se aposentar cedo para seguir, por um breve período, outra vida. Espero que gostem!

Não sou profissional de tradução e apesar de ser formada em inglês, nem tudo pode estar perfeito, ok?


"Ask her to dance"
Entrevista da edição 13 da Lula Magazine com Mary Helen Bowers.


"O que caracteriza uma "*bunhead", qual a sua principal qualidade?
Eu acho uma bunhead é aquela pessoa que nunca solta o cabelo, mesmo depois das aulas, num sentido literal e figurativo. Esta não é a maneira que adolescentes "normais" pensam e agem e talvez seja o principal motivo pelo qual as bailarinas são rapidamente reconhecidas nas ruas. Muitas bailarinas não têm a oportunidade de ter uma vida escolar normal. O mundo da dança é bem insulano. Você vive como se o sol nascesse e também fosse se pôr no palco.(…)"

*Bunhead é como os americanos apelidaram as bailarinas profissionais. Significa, na tradução mais tosca, "cabeça de coque". 

"Quais são os desafios da vida de uma bailarina profissional?
O maior desafio é aprender como cuidar do seu corpo. Toda a sua vida como bailarina acontece em volta de seu corpo. Quanto melhor você souber cuidar dele, melhor será seu desempenho." 

"Qual é a real definição de "Bailarina"?
Eu diria que uma Bailarina é uma mentalidade e uma atitude."

"O que você sente quando está dançando no palco?
É realmente mágico quando se está no palco. É o momento da sua arte. A luz, o figurino,  música, é um lugar sagrado. Eu ficava nervosa antes de me apresentar num papel fisicamente difícil, pois sabia o quão difícil seria, uma energia nervosa excitante. Mas nada que me paralisasse. Mais excitação do que medo."

"Por que você resolveu se aposentar tão cedo?
Eu dancei no NYCB por dez maravilhosos anos. Mas o momento veio quando eu queria realizar outras coisas. Eu queria estudar e fui aceita na Universidade Columbia. (…) Eu realmente adorava ir às aulas e ler os livros, debate-los com estudantes e professores (…). Esta foi uma grande mudança na minha vida como bailarina profissional, que é incrivelmente expressiva, mas também muito física. (…) Isto fez com que meu mundo se abrisse e eu tive a oportunidade de ter uma identidade além de uma profissional da dança, o que era algo bastante importante para mim. Eu tirei um ano sem fazer nenhum exercício físico quando entrei na Columbia. Nem fazer ponta com o pé. Dei um verdadeiro tempo ao meu corpo e à minha mente. Eu tive que criar uma realidade fora do ballet para poder retornar a ele e compartilhar a dança com todo mundo. Eu aprendi o que pessoas que não dançam pensam e sentem, e como seus corpos respondem aos exercícios. Eu criei o meu programa do Ballet Beautiful inicialmente para me fazer uma profissional melhor, mas o que me motiva todos os dias é compartilhar o programa e sua filosofia com mulheres do mundo todo. Eu adoro trabalhar com meninas que tiveram um passado na dança, mas também com clientes que nunca dançaram na vida, mas adoram porque se sentem fortes e graciosas." 

"Como você começou o Ballet Beautiful? De onde veio a idéia?
Quando me formei na Columbia em 2008, lancei o Ballet Beautiful. Inicialmente eu tinha alguns clientes que atendia em casa. A maneira como tudo cresceu foi através do boca a boca. Quando eu fiquei um ano sem dançar e tive que voltar a ficar em forma, eu realmente usei o meu programa para faze-lo. E foi incrível como meu corpo respondeu aos exercícios. (…) O Ballet Beautiful foca no poder feminino, uma forma muito específica de força e energia. (…)"

"Como foi treinar Natalie Portman para Cisne Negro?
O treinamento para o filme foi bem animador, mas também bem desafiador. Quando você fala de ser inspirada por uma mulher, Natalie é uma inspiração inacreditável. Ela é talentosa e esforçada, bem-sucedida e uma ótima pessoa também. (…) Atuar é a arte da Natalie, mas ela estava de acordo em se comprometer por um ano com a dança para se preparar para um papel; foi simplesmente incrível. A rotina era brutal porque a gente estava treinando no topo de sua vida de atriz. Isso significa acordar 4h30 para me encontrar na academia, nadar, em seguida treinar por duas horas o programa Ballet Beautiful com exercícios e alongamentos. Depois ela ia para o trabalho e me encontrava novamente a noite para mais horas de treino de técnicas e pontas. Depois, ia para casa, dormia e no dia seguinte fazia tudo de novo. Nós treinamos por um ano, mas os últimos seis meses antes das filmagens treinamos 5 horas por dia, seis dias por semana, junto com outros filmes nos quais ela estava trabalhando. Se ela não estava em nenhum set, nós trabalhávamos 8 horas por dia. Ela foi muito dedicada." 

"Quais são suas dicas de nutrição?
Nutrição é equilíbrio. Eu descobri que tinha ideias erradas a respeito de nutrição, como "carboidratos são ruins" ou " você não pode comer açúcar". É só fazer as escolhas certas. Eu sou muito fã de carboidratos, mas não é por isso que vou sair comendo um pão doce! Como muitos grãos, nozes e abacate, proteínas magras, frutas e vegetais. Eu como carne e preciso da proteína porque me exercito muito e também tenho minhas "recompensas" que são importantes pra mim, como chocolate, queijo e vinho!"   

Gostaram? :)

A Lula também tem, em outra edição, uma entrevista com Karen Kain, diretora do National Ballet of Canada. Em breve, traduzo parte dela pra vocês.

Beijo!

sábado, 28 de julho de 2012

Dance, dance, dance

Ballerinas!

Finalmente, a edição de aniversário de 2 anos da revista aLagarta, foi ao ar!

Como postei anteriormente, fui ao Rio para fotografar um editorial na Sauer Danças, inspirado em ballet. Sempre que posso, coloco um pouquinho do mundo da dança n'a Lagarta. É como se a revista não estivesse completa sem ela, sabe?






Não sou uma bailarina que sabe de tudo. Não sei das novidades, não tenho tempo para me atualizar, ou passar informações didáticas para vocês. Mas uma coisa eu sei fazer: deixar a dança falar comigo, e muitas vezes falar por mim. Este editorial é um presente para todas as bailarinas, principalmente as adultas. Ele grita "Dance, dance, dance"!, de qualquer jeito.




"I was a dancer all along", diz a letra da música que inspirou o título do editorial. Espero que curtam a edição.

Vale a pena apertar o play.
Quer ver as fotos maiores? Corre lá na Lagarta ;)



Beijo e até a próxima!


quarta-feira, 4 de julho de 2012

Diário de uma bailarina de férias -- A arte de observar

Ah, o mês de Julho...! Essas supostas férias que, para uma bailarina adulta, de nada servem. Se bem que desta vez eu finalmente consegui tirar 15 dias para ir ao Rio (novamente) visitar minha família. Mas na prática mesmo, enquanto crianças e adolescentes se divertem em quase um mês sem aulas, os adultos acham estranho interromper de repente o balé.

Então, por que ficar parado? No Rio conheço uma escola na Barra que não para suas atividades, cobrando por aulas avulsas. Vale a pena procurar uma dessas na sua cidade.

Para quem prefere ficar em casa relaxando, um bom alongamento diário com um ou outro exercíciozinho nas pontas (só para não "esquecer") é super válido. O que vocês fazem nas férias para não enferrujar?

Uma outra ótima opção é assistir a videos e documentários de ballet. Esta é a parte que mais gosto! Você pode substituir seu horário de aulas assistindo (com olho técnico, para aprender também, né?) aos seus repertórios favoritos. Porque se tem uma coisa que aprendi, e que é super importante, é a arte de observar. Eu sempre curti desenhar, desde criança, e quando queria copiar algum traço (como de personagens da Disney), eu observava muito a figura antes de começar. Observava, tentava, apagava, olhava de novo, fazia de novo. Isso me fez desenvolver uma atenção especial, que direciono também para a dança.

Desde a minha primeira aula de ballet, assisto aos vídeos com outros olhos, observando cada movimento, como ele é executado pela bailarina. E isso me ajudou dentro da sala de aula quando, na frente do espelho, eu observo meu próprio corpo. É gostoso também imitar a postura, a interpretação, a parte da dança e não só a técnica. Minha professora costuma dizer que temos que dançar mais, que não adianta somente executar os passos. E observando as bailarinas profissionais em video, você finalmente entende o que isso significa. ;)

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Por que não?

Acabo de voltar da São Paulo Fashion Week. Uma SPFW cheia de... coques!

André Lima

Como bailarina, senti uma certa identificação com todos aqueles penteados, como se fosse algo muito meu, muito familiar. O mais bacana era que cada um era diferente do outro e eu pensei "por que não investirmos em coques diferentes para dançar?" Seja na sala de aula, seja nas apresentações.

Há tantas apresentações inspiradas em temas modernos, inventados... Se podemos fugir do clássico na coreografia, podemos tamém fugir do clássico na hora de se arrumar. Eu apóio.


Adriana Degreas

Todas as fotos: Carol Lancelloti
 

quarta-feira, 13 de junho de 2012

Dançar pra quem?

 foto: Eu pelo meu amor, Rodrigo Junqueira

De repente, apresentações perderam a importância. Dou muito mais valor às minhas conquistas em sala de aula. Dia após dia.

Um exercício novo; dois passos para trás, para poder andar pra frente. Progredir requer paciência, disciplina e, acima de tudo, paixão.

Hoje eu agradeço ao ballet, apenas. Não sou mais ansiosa, não mais me desespero, pois sei que um dia eu vou brilhar exatamente como quero nos palcos. Até lá, eu danço pra mim.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Adquirindo uma Gaynor Minden

Foto: Carol Lancelloti


Como citei no post anterior, fui ao Rio para fotografar um editorial de moda (para a Lagarta) inspirado em ballet. A produtora de moda me pediu para levar todas as sapatilhas de ponta que eu tinha, inclusive a minha Toshie pintada de azul (lembram?)

Atualmente, minha Toshie azul decora o meu quarto. Ela representa muito pra mim, porque foi a sapatilha que me ensinou a subir e dançar nas pontas e sou muito grata a ela por isso. Eu nunca havia calçado a Toshie desde a minha apresentação de fim de ano de 2010, pois logo em seguida ganhei de presente uma Gaynor Minden de uma amiga. Resolvi então, depois de todo esse tempo, subir nela pra ver a diferença entre as duas...

E que diferença!

Bailarinas, acho que esta é a melhor dica de sapatilha de pontas que eu posso dar a vocês: comprem uma Gaynor! Eu subi na Toshie de meia grossinha e senti dor em segundos (e comecei a lembrar de todo o martírio que sofri com ela, protegendo meus dedos). "Como eu sofria e não sabia!" -- pensei.

Com a minha Gaynor, não há machucados, apenas dor muscular dos exercícios. Com ela, não uso ponteira, apenas envolvo com esparadrapo as partes que sei que machucam e uso uma dedeira. E o melhor: minha Gaynor não envelhece! Ela dura que é uma beleza, principalmente para iniciantes, que só fazem aula de ponta uma vez na semana.

Eu sei, muitas de vocês vão dizer: "Mas, Carol, uma Gaynor é muito cara!" E é mesmo. Mas acho que vale a pena colocar no papel o número de sapatilhas que vocês trocam por ano (sendo cada uma uns R$80 reais) em troca de uma Gaynor que vai durar o ano inteiro (em média R$300 no Brasil) e ainda vai melhorar muito o desempenho de vocês nas aulas. E melhor: sem tanto sofrimento! Dou essa dica de coração mesmo, porque eu sofri com as minhas primeiras sapatilhas (e vocês acompanharam aqui), sei bem como é a frustração.

Como comprar minha Gaynor?

Aqui no Brasil, você encontra a sapatilha no Mundo Dança, na Ponta Firme e na Loja Ana Botafogo.

Se você quiser fazer uma sob medida, certinha para o seu pé, vale a pena fazer todo o processo que a Thais, do Ponta Perfeita, fez, enviando suas medidas diretamente para a loja gringa. Ela conta tudo aqui neste post.


Não conheço a Gaynor! 

Já falei sobre a minha primeira Gaynor aqui e já postei sobre a loja da Gaynor em NY aqui. ;)
Leia aqui alguns depoimentos de profissionais sobre a Gaynor.

Toshie, só na parede!



domingo, 27 de maio de 2012

Dica de escola no Rio: Sauer Danças

Oi, ballerinas!

Depois de uma temporada carioca cobrindo o Fashion Rio, cá estou novamente. O evento rolou na semana passada e aproveitei a estadia em minha cidade natal para fotografar um editorial para a 10a edição da Lagarta, tendo a dança como tema.

Trata-se de uma edição bem importante da revista: faremos 2 anos em Julho. Por isso, eu quis falar de liberdade e de uma das minhas maiores paixões: o ballet, é claro!



Fotografamos na Sauer Danças, uma academia de dança deliciosamente localizada no Jardim Botânico. A Pat, dona do espaço, é super aberta a parcerias artísticas e nos recebeu muito bem por lá. Fotografei numa sala linda, que tinha uns vitrais coloridos... Deve ser um sonho fazer aula ali!



A Sauer tem turma de ballet adulto, fica a dica para quem mora na Zona Sul. Apesar do preço ser um pouquinho mais caro do que em outras academias, vale muito a pena pela localização, estrutura e conforto. O espaço também oferece aulas de pilates, yoga, alongamento, lutas e até Repertório de Ballet.

Sauer Danças
Rua Lopes Quintas 576 - Jardim Botânico, Rio de Janeiro
 (21) 2274-1546

#ficaadica

terça-feira, 15 de maio de 2012

O lançamento do blog da Loja Ana Botafogo


 Os docinhos deliciosos da Bolos Honey Cakes estavam também uma fofura só!


Ballerinas, eu sei que vocês devem estar querendo me matar pelo sumiço, né? Principalmente depois daquele discurso de "agora eu voltei pra valer", etc. Desculpem.

O fato é que fiquei duas semanas longe do ballet em função de um mal-estar que me deixou bem fraquinha e também por um motivo bacana e bem válido: O lançamento do blog da Loja Ana Botafogo, do qual eu sou editora-chefe e minha grande amiga, Carla, web designer. :)



Para quem não conhece, a Loja Ana Botafogo fica na Rua Santa Clara, no número 75,(5o andar), em Copacanaba, e desde antes de eu trabalhar dentro da equipe, já a considerava uma das melhores lojas de produtos de ballet no Rio.

E a boa notícia é que, junto com o blog, a mesma lançou também uma loja virtual, ou seja: agora bailarinos e bailarinas do Brasil inteiro podem comprar as novidades, como a blusa Keep Calm and Ballet On, que fez o maior sucesso ontem no lançamento e foi a minha favorita!



Cheguei a publicar o video oficial do lançamento, feito por mim, no perfil do Meia Ponta no Facebook. Mas tive que retira-lo em função de uns ajustes e em breve ele volta ao ar pra todo mundo assistir, ok? ;)

Por enquanto, fiquem com as fotos. A Carla tirou várias fotos fofas minhas com a Ana ("mas, Carol, você não cansa de ser tiete?" Não! Pessoas, vocês por acaso já viram esta mulher dançando Giselle? Preciso falar mais? Ok) , mas como ainda não me enviou, vai o registro do instagram mesmo... (me segue lá: @lancelloti)





  Meu coque com trança! Fiquei tão orgulhosa de ter feito sozinha que decidi postar rs

terça-feira, 24 de abril de 2012

A quinta posição e o sapinho

Foto de Jayane Marcil

Eis o meu maior defeito: minha quinta posição. Ela parece mais uma terceira sofrida e mais próxima, pra ser bem sincera. A esquerda é até melhor do que a direita. A direita é uma vergonha... haha Já me disseram que bailarina coxuda tem mais dificuldade em fechar direitinho a quinta posição. Sendo assim, 1 a 0 coxa... É a parte mais gordinha do meu corpo. rs

O chão da minha sala está em reforma e é um pouco escorregadio. É de madeira, nada antiaderente. Consequência: minha quinta é praticamente inexistente nas aulas de ponta. Precisamos até providenciar breu... Porque minha quinta melhora quando consigo fincar os pés no chão, pelo menos.

Perguntei à Monica, minha professora de alongamento sofrido  cubano, o que eu poderia fazer para melhora-la. Sua resposta foi o sapinho.

Sim, aquela posição desagradável de se fazer caso você tenha mais de 10 anos de idade. haha Eu não ia postar nenhuma foto ilustrativa minha (imagina!). Felizmente, minha amiga fotógrafa Carla Costa tinha este imagem:



Agora, desenho fazendo sapinho, vejo filme fazendo sapinho... haha Tudo para ver se consigo uma melhora na minha quinta. Tentar emagrecer também não seria má ideia.

Queria saber de vocês, o que vocês fazem pra melhorar a quinta?

Dica: Cada um tem a sua própria quinta, seus limites, e temos que tomar muito cuidado para não danificar nosso joelho, forçando demais, ok? Pergunte sempre a opinião do seu professor.

sexta-feira, 20 de abril de 2012

Eu na Revista de Dança


Ballerinas, apareci para dividir a notícia com vocês.

Eu, Cássia e a Sara (que até então não conhecia, mas achei lindo que ela é leitora do blog!) fomos entrevistadas pela Revista de Dança sobre como é ser blogueira no mundo do ballet.

Adorei o resultado e vocês podem ler tudo na íntegra aqui.


Beijo

domingo, 8 de abril de 2012

Disciplina: nada de ponta apoiada!


Há um tempo atrás, postei aqui no blog sobre minha descoberta do ângulo certo para se fazer uma ponta en dehors linda. Até comentei -- não sei se lembram -- que minha professora pintou uma bolinha no calcanhar da sapatilha de cada aluna para que pudéssemos sempre lembrar para onde projetar o pé.

Pois bem. (Vou dar uma volta enorme para chegar no argumento, mas vocês não se importam, né?) Uma coisa tem me incomodado nas últimas aulas. Uma coisa que tenho observado nas minhas companheiras de turma. Mas como não sou a professora, fico calada, é claro, até porque não estou na posição de corrigir ninguém. Mas aqui eu posso escrever, não posso? rs

Como eu não vou me apresentar (de novo) no meio do ano, fico alongando nos últimos minutos de ensaio e observando as meninas. E eu não consigo entender por que ninguém estica as pernas e as pontas da maneira correta! Já começa na fila. Se todas se encaixassem, se concentrassem e esticassem as pontas e pernas antes de dar o primeiro passo, tudo sairia muito mais bonito.

Porque a coreografia começa na coxia e bailarina tem que estar sempre alinhada. Uma das coisas mais importantes que minha professora me ensinou, por exemplo, é que não se deve sair andando de qualquer jeito na diagonal quando completar uma sequência ou um salto, mas sim finaliza-la corretamente.

Eu sou muito observadora e sempre percebia em videos e fotos que as bailarinas estavam encaixadíssimas e com os pés en dehors na maioria das posições "preparatórias" e carreguei isso comigo. Lembrando: O en dehors vem lá do encaixe do quadril, passando pela abertura da coxa, o joelho esticado até chegar nos pés.

E o que acontece com as meninas que não se alinham e não corrigem a postura antes de entrar "em cena"? A ponta fica apoiada no chão. *Pavor* E o en dehors vai pra conchinchina, é claro.

E isso, ballerinas, é o que mais me irrita nessa história toda: uma ponta "apoiada", dobrada no en dedans no chão, amassada e sem firmeza nenhuma. O ballet é tão bonito... e ele depende desses pequenos detalhes para ser bonito, entendam.

Então, resolvi fotografar as minhas pernas fazendo a mesma pose que as meninas da minha turma fazem antes de entrar em cena, uma certa e uma errada. É bem provável que alguém venha me dizer que estou equivocada e que minhas pernas estão absolutamente erradas, por isso, gostaria já de antecipar as críticas e dizer que, sendo construtivas, são bem-vindas.

Na verdade, depois eu reparei que nem fiz direito a pose errada. Deveria ter dobrado mais o joelho e apoiado mais o en dedans no chão, mas é o vício de fazer tudo certinho sempre rs. #nerd
errado

certo

Neste gráfico abaixo, que encontrei num site chamado Terceiro Ato, dá pra perceber a posição correta da perna e dos pés em todos os ângulos:



Moral da história: Estica essa ponta! Moral da história 2: Estica esse joelho e encaixa esse quadril! Pensa na abertura da coxa e no en dehors sem-pre. Ponta apoiada nunca mais!

E nem me façam falar do pé de lavadeira (é como minha professora chama quando apoiamos a ponta no joelho quando fazemos um passé).

segunda-feira, 2 de abril de 2012

Resultado do sorteio de aniversário Meia Ponta & Capezio

Meninas, o sorteio foi um sucesso maior do que o primeiro.
Adoro presentear vocês e o farei sempre que puder. :)

Vamos ao resultado: a sortuda foi Amanda Pereira, de Maceió, que escolheu uma Cerrito. Parabéns!


Amanda, vou entrar em contato com você via email, ok?

Os outros comentários, como combinado, serão apagados para manter a privacidade das participantes que deixaram seus emails.

Obrigada pela participação de todas e até o próximo post!

domingo, 1 de abril de 2012

Grand jeté - a descoberta

Foto: Carol Lancelloti, Cia Brasileira de Ballet - Dom Quixote

Ah, eu adoro grand jetés! É um salto que minha professora do Rio dava o tempo todo na diagonal e um dos poucos no qual eu era naturalmente boa (em outros, pareço uma sapa desajeitada, tentando várias vezes descobrir o mecanismo da coisa rs).

Na minha escola em Brasília só começamos a arriscar coisas na diagonal por agora (antes, só fazíamos centro) e como a aula passada foi dada por uma substituta, eu a persuadi a dar uma diagonal caprichada, com sissone e grand jeté (negociei um debulé, mas não rolou rs).

A primeira feliz descoberta foi que meu dedo lesionado não reclamou como de costume. Parece já estar bom, apesar de nunca ter voltado a sua finura normal. E a segunda feliz descoberta foi as duas maneiras de se fazer este salto.

Uma, explicou a professora (mais nova que eu, #todaschora) é saltar já com ambas as pernas esticadas (o que eu sempre fiz) e a outra é saltar e desenvolve-las no ar. Eu já havia visto algumas bailarinas fazendo desta forma, mas achava (na minha ignorância rs) que era "opcional" haha. Não sabia que eram duas fomas distintas de se executar um salto e... não sabia que a segunda era mais fácil! Sim! Já subir com ambas as pernas esticadas é muito mais difícil do que desenvolve-las no ar.

Meu grand jeté costuma ser até bem aberto pra uma iniciante, mas nunca retinho. Só que, quando mudei a forma de executar e saltei desenvolvendo a perna, milagre: ele ficou perfeito! Não acreditei no que vi no espelho, no flash de um segundo. Fiquei tão orgulhosa! Tive que dividir aqui com vocês... Alongem, façam um bom tombé pas de bourrée, peguem impulso e developé antes de saltar. Perfect. #ficaadica

E vamos ser mais ousadas no ballet, meninas! As minhas companheiras de turma preferiam preencher o resto da aula com mais barra do que com exercícios na diagonal. E muita gente fazendo grand jeté miudinho... Tem que se jogar! Mesmo fazendo errado, mesmo o braço indo na direção que não devia. Primeiro, temos que sentir o ar fresco da liberdade. A técnica vem depois. ;)

quinta-feira, 29 de março de 2012

Sorteio de aniversário: Meia Ponta & Capezio

Que tal ganhar de presente a sua primeira sapatilha de ponta? :)

Ballerinas, uma ótima notícia para comemorar o 3o aniversário do Meia Ponta (ainda dá tempo, né?): a queridinha das marcas, Capezio , me deixou escolher um presente para sortear entre vocês!

Como eu sei que um monte de leitora está iniciando o trabalho nas pontas, optei por uma sapatilha. São duas opções (a leitora vencedora poderá escolher o modelo que preferir):

07 Cerrito Estudante

Sapatilha de ponta indicada para alunas iniciantes. Possui largura de forma média e gáspea baixa. A palmilha é flexível e durável. A biqueira é em couro com design exclusivo que se estende até as laterais, facilitando o exercício de elevè e relevè para alunas iniciantes. A forma e o material proporcionam maior conforto na realização de exercícios e ensaios.




183 Partner Student

Sapatilha de ponta indicada para alunas iniciantes e intermediárias. Possui forma larga e gáspea alta. A palmilha é flexível e durável. A biqueira é em couro e quadrada, proporcionando melhor estabilidade no eixo natural da bailarina. A sola é costurada e a sapatilha é confortável.




Como participar:

Deixe um comentário neste post com:

Nome e sobrenome
Sapatilha escolhida
Cidade
*Email
*Ainda não encontrei uma forma inteligente no Blogspot de esconder os emails das participantes, então, assim que o sorteio terminar, eu apagarei os comentários, ok?

Aquelas que não preencherem corretamente o formulário serão automaticamente desclassificadas.

Cada leitora tem direito a um comentário, ok? Nada de lotar a caixa da blogueira. rs


Data do resultado: Segunda-feira, dia 2 de Abril (será divulgado no Facebook e aqui no blog)

Como será feito o sorteio:
Contarei a partir do primeiro até o último comentário e sortearei pelo Random.org.

Entrega da sapatilha:
A bailarina sorteada deve retirar a sapatilha na loja Capezio mais próxima ou em um lojista autorizado. (Tudo será combinado via email). Caso não haja lojas na região, a ponta será enviada para a bailarina via Correios.


"Vale ressaltar que antes de calçar uma sapatilha de ponta, deve-se pedir autorização e orientação ao seu professor. A Capezio não pode definir qual a melhor sapatilha de ponta para seus pés. Além disso, existe o momento ideal para a bailarina iniciar seus primeiros passos nas pontas dos pés. Dance, dance, dance, e chegará a sua vez!"


Curta também a Capezio no Facebook para ficar por dentro das novidades da marca.


sexta-feira, 23 de março de 2012

La Bayadère



Ontem assisti La Bayadère pela primeira vez.

Já havia lido sobre, assistido algumas poucas partes, mas desta vez pude assistir ao ballet inteiro. Prometi a mim mesma que iria organizar minha vida em 2012 para isto e tem dado certo. :)

A versão que tenho aqui é uma da década de 90, encenada na Ópera de Paris, com Isabelle Guerin como Nikiya. Gostei bastante porque é completamente diferente dos clássicos cheios de mocinhas e tutus.

Isabelle Guerin, 1992

É ótimo ver um ballet com referências orientais, completamente diferente. Há cambrés incríveis (ai, minhas costas! eu quero!), passos cheios de malícia, barrigas de fora, figurino e cenários exorbitantes (e olha que estreou em 1877!)... Eu só acho que podia ter ainda menos tutus bandeja! haha O figurino deveria ser todo indiano.


La Bayadère estreou numa época em que a moda (e todos os demais artistas e criadores) estava voltada para o Oriente, o que foi um sopro de ar fresco na Europa. O filme Moulin Rouge também retrata este auge da belle époque muito bem (amo!)


A coreograia é de Marius Petipa e fica boa mesmo no 3o ato (o mais lindo de todos). Antes, disso, é só historinha. E eu gosto de ver ação, dança! haha

É lindo visualmente. Eu adoro um visual, vocês sabem...



domingo, 18 de março de 2012

Três anos de Meia Ponta



Há exatos 3 anos o Meia Ponta surgiu.

Escrevi o primeiro post no dia 18 de Março de 2009, dando início a minha descoberta deste fantástico mundo que é o Ballet Clássico.

Hoje, o blog que começou como um simples e sincero diário já soma 10 mil visitas e 15 mil pageviews por mês -- não só de bailarinas brasileiras, como também de Portugal e dos Estados Unidos.

Eu sempre senti uma estranha identificação com o ballet, como se eu já tivesse vivido nesse mundo. Mas fingia que não era comigo... Até que um filme mudou minha vida e eu não tive mais como fugir.

Sentada na sala escura do cinema, meus olhos esperavam ansiosos por cada cena de Daisy em O Curioso Caso de Benjamin Button. A combinação de uma bailarina com cabelos ruivos e Cate Blanchett foi irresistível. No dia seguinte, já havia encontrado uma escola e comecei, sem medo.

Eu, pela minha amiga, Tati Pomar

Acredito profundamente que quando começamos algo com a cabeça aberta e paixão, nada pode tirar aquilo de nós. Recebo frequentemente recados de meninas que têm medo de começar por causa dos outros, que ficam muito preocupadas na justificativa que terão que dar para os pais, ou o namorado. Em nenhum momento isso passou pela minha cabeça, de tão absurda que é essa ideia. Eu falava com orgulho que tinha começado o ballet e minha própria alegria influenciou todos a verem tudo de uma maneira diferente.
Nunca deixei a palavra "adulta" me diminuir. Sempre pensei grande, sempre conversei com as minhas professoras e deixei claro que a minha idade não diminui minha determinação. Sempre exigi que me tratassem como qualquer outra bailarina, dentro e fora da escola.

Ninguém está na posição de te julgar, ou sentir pena de você porque começou adulta. Pena eu sinto daqueles que não têm coragem de ir atrás do que os faz feliz. Dançar me faz feliz. E mais louco é quem me diz, como na música.


"Nós somos definidos pelas oportunidades. Até mesmo aquelas que perdemos" - quote do filme O Curioso Caso de Benjamin Button


Obrigada pelas visitas, pelos comentários, pelo carinho.
Estamos juntas, ballerinas!


"Some people were born to sit by a river. Some get struck by lightning. Some have an ear for music. Some are artists. Some swim. Some know buttons. Some know Shakespeare. Some are mothers. And some people dance. "

- The Curious Case of Benjamin Button

Os pés de Alessandra Ferri by me! ;)

sábado, 17 de março de 2012

O figurino de Jewels



Conheci este ballet de Balanchine lendo no Dos Passos da Bailarina, da Cássia (ela ama e já postou diversas vezes os videos, para ler/assistir, clique aqui).

Confesso que não sou tão fã do estilo de Balanchine (apesar de reconhecer seu imenso talento e importância, claro). Lembro que, no documentário Ballet Russes, a bailarina Nini Theilade (fofa!) dizia que o coreógrafo se expressava através dos bailarinos. Era o que ele queria, a interpretação que ele acha que devia ser, através do corpo de quem dançava. Cenários, histórias e grandes produções ficavam de lado. E podem me chamar de antiquada ou careta (expressão diretamente dos tempos de juventude da mamãe), mas eu pessoalmente não acho isso muito atraente no palco.





Jewels não tem uma história e pra ser sincera eu fico um pouco enteadiada com 20 minutos de coreografia impecável. Ballet não é circo, né? Sinto falta de um enredo mais redondo. E o fato do cenário ser praticamente nulo também me incomoda de leve (o dos diamantes é o mais bonito). Mas o figurino é especial. Amo os 3, mas talvez o que eu mais goste seja o das Esmeraldas. Amo um tutu romântico!


Com um figurino tão lindo desses (o da montagem mais recente da Ópera de Paris foi feito por Christian Lacroix), dá até pena não ter um cenário complementando. Eu gosto do lúdico, do drama, da riqueza e dos detalhes. E acho que Jewels, apesar da proposta original, decepciona destes quesitos. Afinal, é um ballet sobre jóias.

Há sequências lindas e, tratando-se de Balanchine, muito criativas; diferentes do que costumamos ver nos repertórios clássicos. Vale a pena assistir, claro. Até porque, esta é somente a minha opinião. Mas ele não entrou para o meu top 5...

Achei esse video in-crí-vel do Royal, no qual aparecem todos os detalhes preciosos das peças. Coisa linda de ver! Enjoy.

sexta-feira, 16 de março de 2012

Carol no País das Bailarinas - parte II

Ballerinas, já está no ar o primeiro video que fiz para a Loja Ana Botafogo, com a própria (leram o post?). Trata-se de um pequeno teaser, só para dar um gostinho do que ainda está por vir. ;)



Gostaram??
Achei engraçado que uma amiga minha que retornou ao ballet recentemente (como adulta), ao ver o video, disse: "Nossa, é tão difícil pra mim fazer um coque que dure a aula inteira! A Ana podia dar dicas!" haha Imagine que legal ia ser, dicas de beauté para bailarinas. Taí uma ideia para os meus posts para o blog da loja.

Pra quem ainda não sabe, além de Twitter, Facebook e um canal no YouTube, a loja lançará em breve neste endereço aqui um blog, que vai ter muita informação boa sobre ballet, com colaborações de vários profissionais. Finalmente, um lugar para tirar as dúvidas que vocês tanto me escrevem! haha

Eu e minha amiga de longa data, Carla Costa, estamos produzindo videos e fotos bem bacanas para divulgar o blog, além da Carla estar trabalhando em um novo layout todo lindo. Estamos super animadas! Afinal, a gente sabe como é difícil encontrar bons sites de ballet em português, né?

Sei que posso estar sendo repetitiva no assunto, mas não é todo dia que algo tão especial assim acontece. Tem sido muito gratificante poder colaborar com um projeto como este e não tem como não divulgar por aqui.



Mass...
estou preparando outros posts, como um sobre alongamento!

Vocês sabem como sou péssima para decorar sequências na barra. Pois bem, também não decoro um exercício de alongamento pra fazer em casa. Não sei nem por que quero ter uma barra em casa! rs Na hora de fazer, sempre dá um branco.

Por isso, tive a ideia de fotografar, durante minhas (dolorosas, mas necessárias) aulas de alongamento Sexta-feira, posições instrutivas para todas nós. Como esta, que a Gabi está fazendo tão bem. Um sonho: minha perna chegar nesta altura atrás. Ao lado, até chega. Mas meu sonho de consumo mesmo é um arabesque perfeito...



Até a próxima ;)

quinta-feira, 15 de março de 2012

Romeu & Julieta no Cinemark



Ballerinas, no dia 22 de Março a rede Cinemark vai transmitir ao vivo, direto de Londres, o ballet Romeu & Julieta! #todasvibra

-Os ingressos podem ser adquiridos no site ou na bilheteria dos cinemas.
-Os valores são R$ 60 (inteira) e R$ 25 (meia).*A meia de R$ 25,00 só vale para cidades onde a inteira é R$ 50,00. Nos cinemas em que a inteira custa R$ 60,00, a meia é R$ 30,00
-Horário: 16h
15 (horário de Brasília) nos cinemas de Belo Horizonte, Brasília, Campinas, Curitiba, Manaus (sessão às 15h15, no horário local), Porto Alegre, Ribeirão Preto, Rio de Janeiro, Salvador, Santos, São Paulo e Vitória

Eu, pra variar, não vou poder ir (por causa do trabalho). Mas corram que deve esgotar rapidinho!


Have fun!

Mais eu


Madrugada passada eu resolvi reler alguns posts do Meia Ponta. E me assustei. haha

É incrível como em dois anos e pouquinho eu já me tornei outra pessoa.


Comecei o ballet com 21 anos e meus textos refletiam uma menina serelepe, pronta pra tudo, curiosa e meio exagerada na maneira de escrever (e a vontade de apagar todos os posts? #perfeccionista). Aos poucos, fui me tornando um pouco dramática, meio amarga (postando sobre pesadelos relacionados ao ballet. Só faltava vestir os red shoes e sair por aí dançando até a morte rs).

Fiquei 6 meses parada em 2011 e agora sinto que estou começando uma nova fase. A alegria de ter voltado e tantas coisas novas que estou aprendendo me motivaram. Sinto-me mais madura e quero fazer posts melhores pra vocês.

Mudei o layout, mudei minha forma de escrever. O Meia Ponta estava meia boca (eu sinceramente sempre me perguntei por que vocês gostavam tanto disso aqui! haha), mas a partir de hoje isto vai mudar.

Continuarei postando em forma de diário, sem pretensões; continuarei sem tempo... A mudança será na qualidade, não na quantidade. E na alma também.

Eu adoro escrever, portanto, preparem-se para alguns longos posts (como o anterior). Aqui, serei muito mais eu.

Digo isto porque agora sou uma das colaboradoras do blog da Loja Ana Botafogo (que lançará em breve, fiquem ligadas), encarregada das partes de ballet adulto e moda. Então, é importante dividir o foco, o estilo da escrita e fazer vocês entenderem que isso aqui é algo muito pessoal e vai continuar sendo. Aqui serei a Carol. Com todas estas nuances...



Dificuldades do dia: Quando você acha que já sabe tudo (do básico), começa a desencaixar o quadril, virar para a diagonal na hora de fazer exercícios na barra e aprende como realmente se executa um changemant.

Boa noite!