sábado, 24 de setembro de 2011

E quando você é a bailarina gordinha?


Estava conversando esses dias com uma leitora no Facebook (ah, sim, o blog agora tem uma página lá!) e ela estava extremamente preocupada em ser a gordinha da turma. Disse que era sedentária até então e que estava com vergonha de começar no ballet. "Você é magrinha" - disse ela, como se eu não fizesse ideia do que era ser a gordinha do ballet. News flash, ballerinas, eu sei! haha É óbvio que a gente só publica fotos que nos favorecem. Por que vocês acham que nunca publiquei meu 1o video dançando nas pontas? Meu quadril estava imenso! rs

Não é a primeira vez que novas bailarinas me escrevem dizendo ter medo e vergonha de começar o ballet em função do peso. Em função disso, resolvi contar a minha história com a balança (e a comida!). Não é nenhuma história dramática, mas é válida. haha

Antes de tudo, gostaria de expressar minha opinião a respeito de ser magrinho/gordinho. Ela pode ser controversa, já aviso. E deixo claro que sou contra o preconceito com qualquer tipo de pessoa.
É que da mesma forma que acho errado a indústria da moda encorajar meninas a serem extremamente magras, sou contra esse negócio de que os gordinhos devem se sentir bem com seu corpo. Principalmente os bem gordinhos. Sou a favor da saúde e do peso ideal. Compreendo que há biotipos diferentes, curvas diferentes, ossos diferentes, doenças (físicas e psicológicas) mais complicadas e milhares de outras situações. Mas, na minha opinião, nós (os que temos consciência e podemos) devemos sempre buscar saúde e a nossa melhor forma.

Bem, vamos lá! A minha história pode parecer boba perto de tantas outras, mas tenho boas experiências para dividir, mesmo nunca tendo passado por situações mais críticas.

Tenho 1m50, seios grandes, coxas grossas e bunda. Se eu não me cuidar, acabo virando um bujãozinho. Frequentemente me sinto mal nas aulas de ballet, pois um collant grudado não é exatamente bonito em seios grandes. E sempre faço aula de saia, com vergonha de mostrar as celulites na minha perna. Uma vez tive que ensaiar sem meia (porque havia esquecido em casa) na frente de um monte de gente e acelerei a coreografia inteira só para acabar logo. Então, eu sei o que é ser a mais larguinha e buxuda dentre tantas bailarinas.

Há 4 anos atrás, quando comecei a namorar meu atual namorido, eu estava quase 6kg acima do meu peso, sem fazer exercícios e tinha um péssimo paladar, em função da quantidade de comida congelada e açúcar que comi a minha vida inteira na casa da minha mãe (que trabalhava fora e tinha zero saco para fazer comida. Eu entendo). O Bark (o namorido) me ajudou a reeducar meus hábitos alimentares. Só nessa "brincadeira", perdi 5 kgs. Era praticamente um por semana!

Só que era (e ainda é) difícil manter meu peso ideal (48kg), afinal, eu amo comer e amo comer besteiras, como chocolate e batata frita, e não havia descoberto o ballet naquela época. Como muitas meninas, passei por academias, algumas tentativas frustradas de praticar esporte (como vôlei de praia) e terminei novamente sedentária. Não suporto exercício físico. Por incrível que pareça, prefiro fechar a boca do que correr todos os dias. haha Mas então, veio o ballet!

Eu não comecei o ballet pelo exercício, mas sim por paixão. E ganhei um presente incrível: pernas torneadas, menos celulites, mais disposição e consegui manter meu peso - bem, pelo menos em torno de 50kg. haha

É claro que eventualmente a gente sente vergonha, ou tenta cobrir uma parte aqui, outra ali, mas isso não deve atrapalhar no rendimento. O ballet está ali para ajudar e vai ajudar; é só você deixar. E, acreditem, 99% das mulheres querem mudar algo no seu corpo e tem vergonha de alguma parte dele. Estamos todas no mesmo barco. O que quero dizer é que vergonha não é motivo para não começar na dança. A vergonha deve ser direcionada para melhorarmos nossos hábitos e nossa vida.

Eu tomo como base a dieta dos pontos, dos Vigilantes do Peso. Nunca frequentei, apenas entendi como funcionava e fiz sozinha em casa. Hoje, não faço mais, mas os princípios dela estão sempre presentes na minha vida, pois não passa de, simplesmente, uma reeducação alimentar. Resolvi listar abaixo algumas escolhas que fiz, e que podem transformar a vida de qualquer bailarina acima do peso.

Atenção: Não sou nutricionista. Essas dicas abaixo são baseadas na minha experiência, ok?

-Eu cortei fritura e gordura do meu dia-a-dia. Ou seja: batata frita, comida chinesa e variados, só de vez em quando, ou final de semana. Chocolate ao leite também. No dia a dia, como o amargo, que é mais saudável e tem menos açúcar.

-Troquei tudo pelo integral: Pão integral, arroz integral. Uso açúcar mascavo no lugar do refinado também. Não tomo adoçantes, pois aspartame é um veneno, e eu pessoalmente não curto nada muito artificial.

-Coloquei muita fibra no corpo! Granola, linhaça... Isso limpa o organismo e desincha. Você não precisa depender de Activias da vida, você precisa comer bem e comer fibra!

-Eu nunca curti refrigerantes. Desde criança, odiava o gás. haha E pra mim, uma coisa melada como Coca Cola não mata sede de ninguém. Então, foi mais fácil cortar de vez da minha vida. Mas se você ama e tem dificuldade, lembre que eles são puro açúcar e celulite em lata. haha

-Eu também evito leite e achocolatados no dia a dia. O que eu bebo? Matte gelado (delícia!), água de côco, sucos variados - naturais e sem açúcar (acredite, é possível a partir do momento que você reeduca seu paladar), chás, café...

-Eu não como carne vermelha e, em casa, faço o possível para ser vegetariana. Não só por saúde, mas pelos animais mesmo (mas isso é papo para outro post, em outro blog). Substituo com muito verde (rúcula, brócolis, espinafre) e ovo. Na rua, opto sempre pela carne de peixe. Se não tiver uma boa opção vegetariana ou com peixe, acabo me rendendo ao frango. Atenção: Para cortar a carne, você precisa substituir por outras coisas e é bom ter acompanhamento de um médico e fazer um exame de sangue de vez em quando, pra ver se está tudo certinho.

-E, por último, reduzi as porções. Nada de três, quatro colheres de arroz no prato, dois pedaços grandes de peixe... Principalmente a noite. Procuro comer porções pequenas. E se comermos mais devagar (é difícil, eu sei, eu sempre esqueço rs) vamos perceber que essa nova quantidade já nos satisfaz perfeitamente. Com o tempo, seu estômago se acostuma e até diminui.

Mas, Carol, você é feliz comendo assim!? Sou! :) Quando vocês começarem a ver as mudanças no corpo e na pele (e na mente!), junto com o resultado da musculação do ballet, vão ser tão felizes tanto quanto eu. E olha que eu acho que ainda estou loooonge do meu corpo ideal.

É uma luta eterna pra quem tem um biotipo como o meu. Eu emagreço fácil, mas também engordo fácil - e rápido. Então, optei por este estilo de vida mais saudável (tanto por mim, quanto pela natureza e pelos animais), mas sem cortar pequenas doses de prazer, como um bom chocolate de vez em quando.

Acho que toda bailarina deveria fazer o mesmo. #ficaadica

foto que abre o post post: Sue du Jour

22 comentários:

paulinha disse...

ooooun, que linda! obrigada carol, amei o post! você é demais! vou anotar todas essas dicas de alimentação e vou fazer de tudo pra conseguir me reeducar também! beijos, beijos!!!

Paulinha

Isabela Sousa disse...

Carol, que post legal! =)
Vou te contar: nunca fui boa em esportes, detesto academia e tenho preguiça de sair de casa pra correr. Minha atividade ideal, sem dúvidas, é a dança. Sinto prazer no ballet, é algo que adoro! Infelizmente, por motivos maiores, estou afastada há mais de um ano, e cheguei a ganhar 8 quilos, acredita?! Percebi pelo jeans que estava apertado e, principalmente, por me ver uma BOLA nas fotos... Quando subi na balança, quase tive um infarto!
Então, fui pra academia... Não fiquei nem 2 semanas, odiei!
Tentei reeducação alimentar(porque, assim como saí do ballet, saí da dieta): funcionou muito bem! Substituí as gorduras por fibras, tomo água de coco todo dia... Sei que o sedentarismo é um dos piores inimigos da saúde, mas enquanto não tomo vergonha na cara de voltar pra dança, fico nisso mesmo...

Beijos Carol! =)

Hortência disse...

Eu seeempre fui maior do que as outras meninas do ballet. Peitão e quadrilzão. Mas graças a Deus sou alta haha. Isso não me atrapalha, mas acho que me prejudica um pouco na hora dos figurinos..

a bailarina disse...

quando comecei o ballet na verdade eu nem liguei, pois eu estava apaixonada por ele, mas depois de um certo tempo eu fiquei com isso na cabeça, pois também tenho coxas mais grossas e mais quadril do que eu gostaria de ter em função de dançar ballet, por isso eu me dedico a ter técnica e "expreção" porque, posso esta sendo leiga, mas Maya Plisetskaya também tem coxa, e não é por isso que ela deixa de ser uma bailarina maravilhosa...
por isso hoje ainda tento controlar meu peso, mas já não sou tão neurótica como antes...
bjs e até

Sah disse...

Eu tambem sou a bailarina rechonchuda,não sou gordinha mais teenho quadril e bunda da turma,teve uma vez que uma das bailarinas da turma do teens chegou perto de mim e disse:Nossa voce tem quadrilzão eu dei risada lógico,olhar no espelho todas as segundas e terça tem me feito ficar mais envaidecida com o que vejo,Delicia !!!!

FRANCIELLE disse...

Carol, super 10 este post!!!!!!!
Comecei o Ballet este ano, aos 35 anos e alem da dificuldade da dança ainda estou acima do peso... Mas já estou cuidando disto! Freqüento o vigilantes do peso e alem do Ballet corro e faço musculação.
Ainda estou em processo de mudança, mas sei que vou conseguir!!!!
Bjos, Fran.

jessica grant c. disse...

Nunca entrei aqui, vi este blog hoje. Também comecei ballet "depois de velha" e, também, ainda não tenho um corpo ideal... Mas, poxa, nada a ver se limitar por isso, né? Muito bom você ter coragem de falar assim. Mas mais bacana ainda é ver duas meninas lá na minha escola, que entraram agora no Básico 1. Uma delas tem a tua altura, e peso por volta dos 75kg. E ela nunca põe a culpa de nenhum erro no peso e dança bem. Ela sabe que é uma questão de tempo, também. Não tem a menor dúvida e arrasa (e é linda!). Já a outra não é gordinha, o que ela tem são cochas enormes, hehehe. Ela vive brincando com isso, mas sempre que a professora precisa de alguém pra exemplificar um exercício, adivinha quem ela chama? Ela! Por que? Pq arrasa! Ou seja, mais umas histórias pra incentivar qualquer gordinha a entrar no ballet. Parabéns pelo blog, um beijo!

Princia disse...

aah adoro esse blog! nesse post tenho q comentar! tbm ja me senti uma bailarina acima dos padroes...tenho um peso razoavel pra minha altura (53-54kg pra 1,62m, mas sou daquele tipo bem brasileiro, quadril, coxas grossas...o bale me estimula mto a controlar o peso...alem de ser a unica atividade fisica q amo praticar, se engordo minhas pernas ficam pesadas, n consigo executar os passos direito :/ n quero ser magerrima, soh quero ser leve pra ser uma boa bailarina :D

enfim, keep writing and dancing!

ps: uma sugestao de post: como fazer uma barra! soh eu ja pensei em ter uma pra treinar em casa qnd quiser? (no meu caso n em casa, mas na sala de ginastica do predio...melhor do q uma esteira enferrujada haha)

Fernanda disse...

Carol, amei o post parabéns pelo seu blog!ele está na lista do meus favoritos.entra lá no meu blog também! nandaesuasideias.logspot.com

Vanêssa Aulette disse...

Carol, ameeei o post!
Essa semana aconteceu algo tenso... eu sempre danço com uma sainha estampada de vual, mas esquecí de levar pra a aula e tive que dançar só de collant! Tava morrrendo de vergonha enquanto alongava. Mal abria as pernas para alongar, o danado do culote insistia em aparecer! No fim da aula o professor disse que achava melhor eu fazer aula sem saia mesmo. Ai ja viu né? Aposentei minhas sainhas e agora tou indo pra as aulas com minhas adoráveis celulites à mostra.
O pior é eu ter coxão e olhar o corpo "bailarinístico" das outras meninas.
Mas esse seu post me incentivou muuuito. Tbm tenho problemas com comida, principalmente qd tou muito impaciente (todo dia Haha), mas vou me reeducar e quando voltar a comentar aqui te conto os resultados Haha.
Bjão!

Luisa Clasen (Lully) disse...

Espero não ter chegado tarde demais pra comentar no post :) Eu tenho os mesmos hábitos que vc descreveu, com exceção da carne. Mas como pouca e sempre é mignon ou outro tipo de carne magra. E, claro, sem ser frita. Além disso tudo, bebo MUITA água (sério, é minha bebida favorita).
Mês passado fui numa nutricionista, pq eu já danço jazz faz dois anos, mas comecei o ballet em Agosto e tava com medo dos meus joelhos não aguentarem as 5 aulas semanais. Perdi dois quilos em um mês, o que é bom. (Não vou contar que tive amigdalite e parei de comer por uma semana :P)
Tenho 1,71m de altura, quadris 46 (ning diz, acho que são os números das calças que tão aumentando mesmo...) e me pesei no médico com 73,5kg.
O pior de tudo é que todos esses hábitos considerados saudáveis eu sempre tive, por causa da minha mãe. E comer devagar não foi aprendido, é natural pra mim. É muito difícil ver todo mundo dando conselhos que você já faz e não vê resultado.
De qqr maneira, tb acho que todas as apaixonadas por dança têm que se entregar, pq assim como tem gente se achando gorda demais, tem outras que se acham magras demais, sem peito, com as pernas separadas... Profissionalmente, pode ser doloroso ser rejeitada pelo físico, mas por hobby, acho que é excelente!
Boa viagem pra França! Coma bastante macarron (doce típico de lá, todo colorido, feito com flores ou frutas), que é minha sobremesa favorita :D

Anônimo disse...

Carol gostei mt do seu post ele me encorajou a seguir em frente no ballet afinal de contas é isso q eu amo mt obg ta de parabéns! c;

Rafaela Monteblanco disse...

Oi Carol! Faz um tempo que venho acompanhando alguns posts do seu blog e o considero um blog de muita qualidade! Fiquei bem curiosa a respeito desse assunto e espantada sobre quantos pontos temos em comum! Eu também só despertei para o balé depois dos 20 anos, mais especificamente com 23, por incentivo de minhas alunas (sou professora de Inglês). Também já fiz a dieta dos pontos a cerca de 10 anos atrás, pois eu era muito descontente com meu corpo. Depois que reeduquei minha alimentação, por conta própria, fiquei muito satisfeita com meu novo modo de vida. Eu tenho 1,59m e, na época, cheguei a pesar 48 Kg. Como eu era uma adolescente de 14 anos até que não fiquei muuuito magra. Mas conforme fui chegando a idade adulta, meu corpo foi mudando e fiquei razoavelmente contente com meus 58Kg. Só que embora minha alimentação fosse boa, assim como a sua, sem carne, sem refrigerante e muitos doces, e tomando muito mate (só que quente porque sou gaúcha), me faltava ainda uma coisa: o exercício físico! Então, ano passado, quando surgiu a oportunidade de fazer algo que era um sonho de infância não concretizado e que serviria de exercício físico, agarrei com as duas mãos. Daí surgiram temores como esses expressos no post. Na minha cidade não há turmas de ballet para adultos iniciantes. Por isso, me colocaram em uma turma juvenil cheia de meninas magrinhas de 13, 14 anos, e que dançam ballet desde pequenininhas. Não é preciso nem dizer como poderia me sentir no meio delas não é? Ainda mais com estrutura física de coxão e peitão... Bom, acontece que, foi bem difícil no início porque eu não conseguia decorar a coreografia, nem levantar a perna até a barra, mas eu me apresentei no espetáculo da companhia, com quatro meses de treino de uma vez na semana, e no meio das menininhas! Me senti muito bem!!! Agora, só quero continuar! Este mês comecei a fazer academia para auxiliar na perda de peso e no ganho de músculos, porque não tenho nenhum... Obrigada por este espaço! Bjs

Camila Jasmin disse...

Tenho ódio mortal do meu biotipo desde que comecei a dançar. E hoje, depois de ter ficado parada por dois anos, só posso dizer que as coisas pioraram. Mas não vou me deixar desistir da dança por causa do meu corpo. Vou emagrecer. Nem tenho muita opção porque existem questões de saúde envolvidas (com terríveis prazos pra que os resultados apareçam), mas sei que com força de vontade consigo eliminar pelo menos parte do problema. E, mesmo antes disso acontecer, voltarei a dançar (talvez não clássico por causa da incompatibilidade de horários, mas já tem uma turma de contemporâneo me esperando!). A dança faz muita diferença, tem um efeito um pouco calmante pra mim e dois anos já pareceram mais do que eu podia aguentar sem dançar nem um pouquinho. E quem sabe a dança não seja também a injeção de ânimo que estava faltando?

Mas discordo com um ponto do que você disse. Acho que os gordinhos podem ser felizes com os seus corpos sim. Isso não significa dizer "Seja obesa e seja feliz!". Mas acredito que as pessoas possam estar saudáveis mesmo que o ponteiro da balança tenha ultrapassado o que seria o esperado. A balança não é a dona da verdade. Muitas vezes as meninas magras estão com anemia, colesterol alto e coisas do tipo pensando que são muito mais saudáveis que as gordas que, talvez, tenham até uma alimentação melhor. Quando tem a ver com saúde, é outra história.

Anônimo disse...

Sua postagem é tipica de pessoa "preconcetuosa" Eu sou bailarina e sou gordinha tenho 1.65 e peso 82kls
Sou "acomodada" com meus kilos? Não! Vivo nesta loucura ou obcesão por emagracer? Tbm não! Sou super feliz com meu corpo, não tenho este tipo de paranoia que muitas magras ai em cima postaram. Eu tenho uma abertura ótima e já dança na ponta e tenho um equilibrio incrivel, lá na minha turma sou sempre exemplo de tudo. Então acho que você deveria pensar mais ao falar, foi super errado tudo que você colocou. Você como muitas querem enfiar na cabeça das novas bailarinas que elas precisam ser um robo para serem bailarinas, ou seja podem comer? Pode mato, pode beber? Pode suco sem açucar. Ah pelo amor de Deus né? Vamos usar o bom senso você é super infeliz com este teu cardapio, pra que mentirmos? Talvez nem você mesma se alimente assim como diz .. A sociedade coloca uma coisa muita falsa na cebeça dos outros. E troxa é os que acreditam .. Cuide apenas da sua saúde. Gordinha pode sim ser bailarina, só não pode levar uma vida cedentaria, afinal existe "magras" mais doentes que gordinhas.

Anônimo disse...

Oi, tudo bem?
Faco ballet também, mas tenho 11 anos, e não quero passar vergonha na frente da turma se ele disser que eu preciso emagrecer.
Sou uma das mais gordas da classe.
Suas dicas me ajudaram muito.

Anônimo disse...

Eu faço balé e sou a gordinha da turma, isso e meu sonho mas penso que nunca vou poder realizado por ser gorda, me sinto triste com isso ja tentei emagrecer de uma monte de formas ja fiz dieta mas ñ consigo emagrecer :( Meu sonho e ser bailarina.

Anônimo disse...

Amo ballet apesar de nunca ter feito mas tenho vontade, mas cono muitas aqui tenho vergonha de meu corpo sou baixa e tenho peitos grandes,coxa grossa e bunda.
Mas tenho muuita vontade de fazer ballet, amo de paixão essa arte tão bela ♡

Anônimo disse...

Eu sei que muita gente vai achar idiota...Eu tenho 11 anos e sou meio magra, olho para minhas colegas com um corpo bonito, mas elas não são gordas! Não gostaria que o Ballet me deixasse magrinha, porque isso muitas vezes leva meu auto-estima lá para baixo. Principalmente nas apresentações no fim de ano, em que tenho que me vestir na frente de outras meninas :(

Sah disse...

Ai nossa ser bailarina e adulta é um trabalho dobrado meu problema alé de ser o meu peso sabendo que eu sou uma mulher brasileira é a aprencia quando comecei o ballet odiava ter que ficar na frente do espelho me sentia horrorosa por uma questão de baixa auto estima,agora toda segunda e quarta antes da aula começar paulatinamente me maqueio de leve só para não perder o costume kkkkkk

Anônimo disse...

Vou participar do YAGP em NY ano que vem,e tenho que perder 10 quilos!Eu só tenho 4 meses!Da tempo?

Marina Alves disse...

Oi, td bem ?
Me chamo Marina e gostaria de saber se musculação e ballet dão certo, pois voltei agr para o ballet e já estava fzd musculação.
Brg :)