segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

mais Black Swan




Ok, eu vi Black Swan no cinema e fiquei em êxtase. Foi mil vezes melhor do que ver na tela do computador, claro. E agora, vocês vão me aturar publicando videos e mais videos e falando sobre, tá? rs

Ouvi fizer que algumas bailarinas se sentiram ofendidas com o filme. Ah, peraí, né? Não é a primeira vez que bailarinas profissionais são retratadas (em filmes e livros) como bulímicas, anoréxicas, neuróticas, competitivas, fumantes e perturbadas. Até nos Simpsons elas apareceram assim! rs Óbvio que não é a maioria, mas há essa pressão, sim, nas grandes companhias de ballet e elas ficam "doidas" - todo mundo sabe. Além do mais, Black Swan é um thriller, gente! É um filme, uma fantasia. Ninguém ali tá dizendo que é exatamente daquela forma que acontece. Dã.



Quando eu li que as irmãs Rodarte não iam ser indicadas para melhor figurino no Oscar, fiquei revoltada. Mas, ao mesmo tempo, vendo esse vídeo, percebi que a figurinista "oficial" do filme, Amy Westcott, mereceu a indicação, sim! Vendo Black Swan no cinema, pude perceber os detalhes. Como ela trabalhou o cisne branco na Nina e o Negro na Lily, e como o Negro ia surgindo aos poucos nas roupas de Nina (como é explicado no video). Sem falar que toda a cartela de cores e texturas foram muito bem pensadas. Do cachecol da Nina até a blusa rasgada que Lily empresta para ela sair a noite. Encaixam perfeito na história, como um todo.


Esse aqui também é muito legal! Mas não tem opção de incorporar. Tem também a entrevista da Natalie no David Letterman. Clique aqui pra assistir.

9 comentários:

ballet por todos os cantos disse...

Pois eh, esse filme foi um sucesso!

clara vitória disse...

black swan realmente vai dar muito o que falar esse ano e eu estou louca pra assistí-lo !
Críticas existem muitas, mas nós bailarinas temos emoções inexplicáveis ao assistir um filme como esse né ?

beijinhos carol *-*

Jade Christinne disse...

Bem, cada um tem sua maneira de reagir e pensar sobre qualquer coisa... Mas no meu ponto de vista,as bailarinas só são vistas como "bulímicas, anoréxicas, neuróticas, competitivas, fumantes e perturbadas porque são poucas delas que realmente não admitem isso. A maior parte simplesmente ignora o fato de que na maioria dos filmes e livros elas são tratadas assim...Além de que, EU (repito: eu), não vou me "rotular" como a bailarina que sofre pressão e por isso se torna doidaa! Pra quê?
Eu vou é curtir a dança na minha vida como uma arte libertadora e feliz!

Agora, cada um tem sua opinião. E tem o direito expor a quem quiser...

:)

Beeijos

Cássia disse...

Eu já li sobre as irmãs Rodarte, porque elas não podiam ser indicadas porque tem alguma coisa a ver com o sindicato, bláblá, daí mais parece que a figurinista nem foi indicada ao Oscar para não dar rolo. Porque é tudo clubinho, né? No fim das contas, Oscar é isso. Só sei que eu quero fazer aulas com as roupas da Nina, hahaha. Não dá vontade de ter tudo? De todos os tons rosa, branco, cinza, preto... Amei tudo!

Beijos.

carla disse...

Nossa, eu assisti ontem no cinema e fiquei em êxtase também. Me senti eu ali, me conectei de uma forma inexplicável. Acho que só quem vive ou já viveu nesse mundo do ballet entende o que é aquela obsessão. Eu já baixei da internet ontem quando cheguei em casa porque *preciso* ver de novo!
Também adorei os figurinos, invejei o sobretudo rosa dela lindo, rs. Adoro essa paleta de cinza, rosa, branco e preto.

Mariza M. disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Mariza M. disse...

Não vejo a hora de assistir esse filme!

Babi Jácome disse...

Carol,tô in love com teu blog e agora senti uma necessidade extrema de comentar este post. Acho muito estranho que algumas bailarinas tenham se sentido ofendidas. 1º por que se trata de uma ficção e não de um documentário, tudo é muito, é exagerado, dilato, expressionista, típico do Darren Aronofsky. 2º por que queridas, encaremos a realidade, bailarinas (primeiras ou em potencial) piram em grandes companias, bailarinas são atletas de alto rendimento, cobradas e pressionadas diarimente e pra ficar tudo mais difícil, o ofício exige a exposição das emoções, lidar com todas essas emoções entre salas de ensaio, camarins, palcos, alojamento, dietas... não é nada simples. Principalmente quando a piração já começa dentro de casa, o posicionamento familiar faz toda diferença nessa hora. Eu, por exemplo, mesmo com a família muito centrada e do meu lado, quase pirei em um ano de Europa, é muita coisa na vida de meninas muito novas. Enfim, era só um desabafo, o filme é incrível, o elenco arrebenta e o figurino e fotografia exprimem com fidelidade os sentimentos, paranóias e transformações por que passam as bailarinas. Depois de inseridas nesse universo, jamais voltaremos a ser as mesmas!
Beijo.

Aline disse...

Oiii, Li quase seu blog inteiro e amei!... e você se achando velha,eu tenho 33 anos e 2 filhos 1 só com 1 aninho e meio...e alguns quilos ainda não perdidos, mas mesmo assim resolvi voltar para o ballet, minha grande paixão! Fiz ballet a minha vida quase toda e depois que parei ainda na adolescência nunca mais consegui voltar por que ballet para adultos iniciantes era bastante difícil!Trocamos de lugar, você foi morar em Brasília(onde morei toda a minha vida) e agora estou no Rio.. achei uma academia maravilhosa, com uma faixa etária parecida com a minha e com alunas e professora dedicadíssimos, a aula é so hard!!! Vou recomeçar a usar ponta depois do carnaval mas a ansiedade já me fez comprar as sapatilhas e dançar pela casa para minha filhinha admirar!!! Bjos e continue postando com essas admiráveis leveza e delicadeza!!!
Aline